Famoso no 'Parafernalha', do YouTube, Cezar Maracujá estreia no teatro e TV

Cezar estreia o espetáculo ‘Primeiramente Comédia’ e também negocia sua participação no programa ‘Treme Treme’

Por O Dia

Rio - Um apaixonado pelo subúrbio. Assim se define o humorista e morador de Realengo Cezar Maracujá, codinome do ator Cezar Correa Martins, um dos quatro finalistas, entre 40 humoristas do país, do Prêmio MultiShow de Humor 2016, que consagrou Felipe Gracindo como o grande vencedor. “Não fiquei triste. Queria ter ganho, mas consegui mostrar mais meu trabalho, que já tem um passado”, diz Maracujá.

Mesmo sem a vitória, os frutos vieram. Cezar estreia o espetáculo ‘Primeiramente Comédia’, no dia 9 de agosto, às 21h30, no Bar da Lapa, em Campo Grande. Também negocia sua participação no programa ‘Treme Treme’, também no MultiShow, e produz um piloto de um programa próprio para apresentar na mesma emissora. “Está tudo ainda em fase inicial, mas esse prêmio ampliou possibilidades na minha carreira. Ganhei também fãs mais velhos, o que antes não era comum”.

Depois da internet e a televisão%2C Cezar Maracujá se prepara para estrear um stand-up no teatroDivulgação

O humorista, que também é roteirista, descobriu a profissão há apenas cinco anos. “Até gravar o primeiro vídeo para a internet e perceber que as pessoas gostavam, não fazia ideia que ‘servia’ para isso”, diverte-se. Se no humor é quase uma tradição ter ‘padrinhos’, Maracujá não fugiria a isso. Paulinho Serra, um dos pioneiros no stand-up comedy no país e diretor do grupo ‘Deznecessários’, referência no gênero, é o seu. “Conheci o trabalho do Maracujá na internet e curti. Quando fui fazer meu espetáculo solo, o convidei. 

Sabia que no palco ele ficaria ‘tinindo’. Pensei: vou ganhar dinheiro em cima dele”, brinca. “Ele é um talento, praticamente autodidata, escreve bem e tem muita noção audiovisual. Vai longe”, garante Paulinho.

O COMEÇO NA INTERNET
Até chegar ao Multishow, Cezar Maracujá percorreu um caminho na internet, que ele considera sua casa. Ele e os sócios Alan Ribeiro e Isau Junior criaram em 2009, o canal no YouTube ‘Ixi’, que já tem quase um milhão de inscritos. Do ‘Ixi’ para o conhecido canal ‘Parafernalha’, que tem hoje 8 milhões de inscritos, e é o segundo maior canal de esquetes do país, foi um pulo. “Fui contratado como roteirista no ‘Parafernalha’ e depois como ator. Hoje atuo mais do que qualquer coisa. Participar do Prêmio aumentou a visibilidade dos canais e do meu trabalho”, conta Cezar.

A internet foi um meio de descoberta para o artista, que viu no humor, uma forma de expressão. “Ao contrário de muitos humoristas, eu não tinha o humor de berço. Fui um menino tímido em família, CDF na escola. Fazia piada entre amigos, mas pensávamos que só nós achávamos graça. Começamos a criar só com ideias e uma câmera na mão, e as pessoas acompanhavam”, comenta parafraseando o cineasta Glauber Rocha.

Maracujá reconhece que a rede viabilizou o trabalho de muitos artistas. “O humor na internet ganhou independência. Você pode continuar fazendo seu trabalho mesmo sem o suporte de uma emissora. Embora todos queiram chegar lá, ampliar”, diz o humorista, que acrescenta: “ Sonho em fixar de vez meu nome na grade de humoristas do Brasil. Quero fazer muito TV e cinema”.

Últimas de Diversão