Livro retrata bairros e monumentos da cidade

'Rio: Beleza Eterna' chega às livrarias nesta semana. Obra reúne 134 fotografias

Por O Dia

Rio - O imponente Centro, as palmeiras da Rua Paissandu, no Flamengo, os bairros da Glória e de Santa Teresa e até as grades da Rua São Clemente. Quase um guia turístico do Rio de Janeiro no século 19. De Bia e Pedro Corrêa do Lago, o livro ‘Rio: Beleza Eterna’ chega às livrarias de todo o país esta semana. A obra, que durou dois meses para ser produzida, registra, por meio de 134 fotografias, vários bairros e monumentos da cidade em uma de suas mais dramáticas fases de mudanças, entre os anos de 1862 e 1925.

Bia conta que, como os dois trabalham com pesquisa e já tinham o acervo da época, surgiu o desejo de criar o livro. O ‘Rio: Beleza Eterna’ é um roteiro pelos lugares que eram mais em voga do século 19 como o Jardim Botânico e a Praia de Botafogo que, na época, era uma das regiões mais chiques da cidade, com grandes mansões, por causa do Pão de Açúcar.

Imagem que ilustra a capa do livro é a vista do Corcovado%2C sem o CristoDivulgação

“O que chamou a nossa atenção é que está tudo ali ainda. Neste Rio, por mais que a gente tenha construído ou degradado, as belezas são as mesmas. A cidade pode ser reencontrada em imagens”, diz Bia, destacando que a ideia foi fazer um livro de bolso, menor, para que mais pessoas pudessem adquirir a obra e conhecer melhor a cidade.

Lançado pela Capivara Editora, a obra, com 185 páginas, conta com retratos que mostram a cidade pelos olhos de Augusto Malta e Marc Ferrez, entre outros artistas das lentes. O livro pode ser adquirido por R$ 39 em qualquer livraria.

“Uma das curiosidades é que, quando o Centro era famoso com suas charmosas cafeterias e teatros, Copacabana era mais deserta. É interessante como o bairro teve seu crescimento só depois dos anos 20 e 30. São Conrado e Leblon, naquela época, eram lugares vazios, quase selvagens. As pessoas só iam em excursão. O que é belo ainda está aí para ser apreciado”, sugere ela.

Últimas de Diversão