Por lucas.cardoso

Rio - Os 15 anos do Casuarina passaram sem que o grupo de samba se desse conta. “Foi muito rápido! Nem dava para imaginar que já era tanto tempo”, brinca João Cavalcanti (tantam e voz), que com Daniel Montes (violão de 7 cordas), Gabriel Azevedo (pandeiro e voz), João Fernando (bandolim e vocais) e Rafael Freire (cavaquinho) comemora a data redonda amanhã na Fundição Progresso.

Mantendo a tradição de fazer shows especiais com convidados variados, às vezes até distantes do universo do samba, nesta terça, o grupo ataca com o veterano sambista Moacyr Luz e o rapper Criolo.

Casuarina completa 15 anos de carreiraDivulgação

“O Samba do Trabalhador (criação de Moacyr) é uma das melhores coisas da cidade. É surreal, divertidíssimo, já fui lá até com as crianças. Renovou muito o samba. E Moacyr virou um parceiro nosso. Já o Criolo, nem acho que seja só um rapper. Ele é um artista brasileiro contemporâneo. Criolo canta muito bem, inclui sambas nos discos dele, e ele mesmo é envolvido com rodas de samba na região dele, o Grajaú (periferia de São Paulo). Rap e samba têm papéis parecidos, são primos”, conta João. No DVD ‘MTV Apresenta’, gravado na mesma Fundição em 2009, o convidado foi Roberto Frejat, que cantou ‘Já Fui Uma Brasa’, de Adoniran Barbosa.

Nos 15 anos do Casuarina, a banda fez diversos shows fora do Brasil. Na França, onde tocam anualmente, já conquistaram um público fiel. “O ‘MTV Apresenta’ foi lançado lá e começamos a fazer turnês pelo país”, recorda João, que recentemente, com o Casuarina, percorreu os Estados Unidos numa tour de dois meses. “Fizemos o país inteiro de ônibus, de costa a costa”, recorda o músico, ansioso para reencontrar o público na Fundição. “Lá, fica todo mundo em volta do palco, no mesmo patamar, olho no olho”.

Você pode gostar