Locutor cria escola e estação na web para futuros radialistas

O experiente Ruy Jobim quer formar profissionais do rádio

Por O Dia

Rio - A vida de Ruy Jobim é o rádio. Locutor e radialista experiente, ele é e criador da Escola de Rádio, que funciona desde 1994 e tem sede no Catete. E passa boa parte do dia lá. “Minha mulher até diz: ‘Por que você não se muda logo para a escola?’”, brinca. É também o realizador do Prêmio Rádio Rio, que já teve cinco edições e homenageou nomes importantes do meio. Em 2016, o evento — sempre realizado em dezembro — terá uma pausa para balanço.

“Vamos dar uma reformulada no prêmio e decidimos dar um tempo, porque 2016 foi um ano muito difícil para o rádio e vimos que havia pouco a comemorar. Ele volta em 2017”, lamenta Ruy, que divide a premiação entre votação popular e profissional, e já homenageou nomes como José Carlos Araújo (Tupi) e Luiz Mendes.

“Vimos que havia prêmio para tudo, mas ninguém premiava o rádio. Tivemos muito estudo, muita conversa antes. Chegamos a pensar numa premiação nacional, mas focamos no Rio”.

Lançando seu primeiro livro%2C Ruy Jobim assume os microfones da SulAmérica Paradiso para cobrir fériaDivulgação

Com experiência em rádios como Globo e Transamérica, Ruy assume os microfones de emissoras como a SulAmérica Paradiso para cobrir férias. Mas como profissional, seu trabalho atualmente é formar radialistas e cuidar da web rádio radioemrevistaweb.com, cuja programação é feita pelos alunos. A escola forma pessoal para rádio e para TV em seus cursos. A apresentadora Fernanda Gentil, da Rede Globo, passou por lá.

“Já sabíamos que ela era uma pessoa diferente pela sagacidade e pela cultura”, orgulha-se Ruy, hoje também dedicado a mostrar os caminhos da web para seus alunos. “Seria ruim ver que o mercado mudou e a gente continuou igual. Pensamos no aluno como comunicador, não só como locutor. Ele pode montar um canal no YouTube, um podcast (programa de rádio digital). O streaming (transmissão pela internet) é uma realidade. Falta as agências de publicidade darem atenção”.

Muito da experiência de Ruy está em sua primeira investida literária, ‘O Rádio Era Tão Romântico’ (Ed. Wak, 172 págs., R$ 46). “O rádio continua tendo romantismo. Mas as rádios são empresas que têm que dar lucro, tudo é feito a partir de muita pesquisa”.