Por bianca.lobianco

Rio - Hoje é sábado, dia de festa! Por isso mesmo, nosso convidado é o queridinho das comemorações do Rio, Antonio Neves da Rocha. Ele começou por acaso, quando um casal de amigos pediu para que fizesse a decoração da casa deles. Ficaram encantados e, depois, pediram para montar uma festa. De lá pra cá, Antonio já fez mais de três mil. Lançou dois livros, ‘As Cores da Festa’ e ‘Mesas do Rio’, e pretende lançar mais alguns... 

LILI: Antonio, você está com a agenda tão ocupada. Por quê? Já fez dois casamentos em um dia?

ANTONIO NEVES DA ROCHA: Bom, primeiro, essa agenda não está nada ocupada. Quanto mais, melhor. E já fiz dois casamentos em um dia, sim. Fico meio louco. Sou meio “cavalo de corrida”. Gosto de fazer, gosto de quantidade e gosto de vencer.

Já recusou um noivo ou noiva?
Eu não sou maluco. Quem paga manda, e eu me adapto.

Já chutou o balde?
Chutei o balde uma vez. Eles recuaram e ficaram fofos — e deu tudo certo. Acho que estavam aguardando que eu desse uma sacudida.

Verdade que ninguém sabe o que você vai fazer até o dia da festa?
Folclore, amor! Você assinaria um cheque para alguém sem saber o que a pessoa vai fazer? Chega ser engraçado dizer isso. Isso também é uma maneira de se preservar. Se ficar bom, foi tudo o que eu pedi. Se não ficar, a culpa é do decorador.

Qual a festa mais cara e mais barata que você fez até hoje?
Isso não é uma pergunta, é uma arapuca! A mais cara, se Deus quiser, estará por vir. Eu adoro gastar dinheiro dos outros porque fica muito bom.

Qual o local mais inusitado onde você já fez um casamento?
Noronha, Trancoso, Manaus, Belém... Já andei bastante por aí.

O que é preciso para fazer uma festa elegante?
Vontade e gosto.

Já aconteceu de os convidados chegarem e você não ter finalizado o altar?
Já, mas as pessoas não sabem.

A pergunta clássica é assim: “Alguma festa não ficou pronta?”.
Sim e não. Sim, porque alguma coisa que estava planejada na minha cabeça não foi feita. E não, porque ninguém viu. Eu jogo para debaixo do tapete. Some com o assunto, some com a cortina e qualquer coisa eu digo que aquela cortina iria ficar horrível ali.

Se você fosse se casar, onde seria a cerimônia?
Credo! Você não acha que eu estou um pouco escaldado?

A vida é uma surpresa. Nunca se sabe...
Eu decididamente não me casaria fora da cidade do Rio de Janeiro. Eu acho que seria bem desgastante.

Quem faria sua festa?
Eu, né? Lógico!

Você já escreveu dois livros, o que vem por aí?
Mais livros! Um deles é teen, bem interessante, e aborda as festas de 15 anos, os bar-mitzvás. O livro é lindo, todo grafitado, muito colorido. Supermoderno. O livro inteiro foi escrito à mão, bem legal o projeto! Não sei ainda o nome que darei. E o outro é ‘A Festa Continua’, sequência do ‘As Cores da Festa’.

Você é um colecionador?
Não gosto desse título, não. Eu sou um acumulador. Igualzinho a você.

Antônio, quem você gostaria de casar?
Você, Lili!

Qual será seu próximo casamento?
Dos empresários Isabelle Segur e Cesar Henrique Artho, há 12 anos juntos. Será em casa, no Jardim Botânico, com o cerimonial do Ricardo Stambovisky.

Alguma surpresa?
Sem surpresa, ela é tradicionalíssima! Chiqueira total!!

Você pode gostar