Por bianca.lobianco

Rio - "Oi, usurpadora! Sabe quem sou eu? A verdadeira Paola Bracho". Essa é uma das frases mais lembradas da teledramaturgia mexicana que ficou eternizada pela voz da dubladora Sheila Dorfman. É ela quem está por trás da voz da vilã Paola Bracho e da gêmea boazinha Paulina Martins, protagonistas interpretadas pela atriz Gabriela Spanic, na novela "A Usurpadora". 

Após exibição pela primeira vez há mais de 10 anos, o dramalhão mexicano — que conta a história de uma mulher que vive a vida da irmã gêmea rica — está sendo reexibido pela setima vez na telinha e os personagens ganharam uma nova dublagem recentemente. É que o SBT decidiu convocar Paola, Paulina, Vovó Piedade e Carlos Daniel, os principais personagens da trama, para pedir votos para o prêmio "Caboré", que reconhece empresas que contribuem para o avanço da indústria de comunicação no Brasil.

As maldades de Paola Bracho estão sendo reprisadas pela sétima vez na telinhaReprodução Internet

Na nova dublagem é possível ouvir Paola falando gírias, comentando sobre seu look caso a emissora leve o prêmio e debochando de todos — marca registrada da vilã que caiu nas graças do grande público.

Sheila Dorfman é a voz que está por trás de Paola Bracho e Paulina Martins%2C responsável pelo sucesso da novela até hojeReprodução Facebook

O DIA conversou com Sheila Dorfman. No bate-papo, ela conta que foi muito divertido redublar as gêmeas, por serem personagens muito marcantes. 

O DIA: O que Paola e Paulina significam para você na carreira de dublagem?

Sheila Dorfman: Um desafio delicioso que me ajudou a amadurecer como atriz. Muita coisa mudou na dublagem desde então.

Você acha que as novelas mexicanas são uma boa vitrine para os dubladores? Qual sua relação com as novelas mexicanas?

Acho muito interessante fazer novelas latinas porque requerem uma técnica diferenciada de interpretação e sincronismo por serem, dramatúrgica e culturalmente, diferentes, além do idioma ser muito próximo ao nosso.

Uma frase marcante da Paola que você mais gosta e que você ainda se lembra?

"Sempre há uma testemunha perigosa de nossas maldades, mas os mortos não falam."

Qual o maior desafio de dublar duas pessoas com personalidades tão diferentes?

O momento da criação é desafiador. Depois que a gente se adapta, fica muito divertido.


Você pode gostar