Flávio Ricco: Redes de TVs brasileiras não cabem na economia

A capacidade do Brasil em tentar hospedar tamanha quantidade de redes de televisão aberta sempre apareceu no centro das discussões

Por O Dia

Rio - Desde lá detrás, quando o cenário se apresentava até mais auspicioso do que o de agora, a capacidade do Brasil em tentar hospedar tamanha quantidade de redes de televisão aberta sempre apareceu no centro das discussões.

Aliás, este é um assunto que, de tão apavorante, na grande maioria das ocasiões é até evitado, porque são muitos os interesses envolvidos e o estreitamento do mercado poderá apresentar consequências desagradáveis. Porém, por mais que existam boa vontade e esforços, esta é uma realidade cada vez mais próxima, indicada de forma irrefutável nos índices de audiência e num painel quase que permanente da distribuição das verbas publicitárias.

É seguro afirmar que Globo, SBT e Record, também por um panorama que já se apresenta como definitivo, estarão operando regularmente daqui a 20, 50 e até mais anos, mas ninguém se arrisca afirmar o mesmo sobre as demais. Hoje, contando as religiosas, temos 14 redes de TV no país. Isso, para o tamanho da nossa economia, é de um despropósito completo. Não há mercado para tanto, ainda mais se levarmos em conta o inevitável crescimento de alguns canais pagos. No meio de tantas, já existem muitas batendo lata. 

Ajuda de cima

A troca de comando em Brasília, de alguma maneira, foi algo que para a Bandeirantes, pelo menos, caiu do céu.

Comerciais como da Nossa Caixa e do Banco do Brasil voltaram a ocupar espaços bem importantes em toda a sua grade de programação. 

Crescimento 

De acordo com a Kantar Ibope Media, entre os gêneros de TV favoritos dos jovens de 18 a 34 anos, os shows registraram aumento de 33% do tempo médio de exposição nos últimos dois anos. Shows são considerados os programas sem plateia, que abrangem uma grande diversidade de assuntos, como brincadeiras, jogos, entrevistas e apresentações musicais.

Traduzindo em números

Segundo este levantamento do Ibope, em 2014, o telespectador assistia a 17 minutos e 49 segundos de shows diariamente. Em 2016, essa média subiu para 23 minutos e 40 segundos diários. Um crescimento bem significativo.

Relançamento 

Dizem, mas ainda não provam, que sem maior alarde se prepara o relançamento da Record News em 2017. Mais que um plano, fala-se na existência de um trabalho em prática para recolocar a emissora como outro importante canal de notícias.

Fim de ano - 1

A RedeTV! reservou para a noite de Natal uma edição especial do ‘Mega Senha’, apresentado por Marcelo de Carvalho. Na oportunidade, o game show contará com a participação do elenco da emissora, que em sua boa parte foi reunido nesta semana para a gravação.

Fim de ano - 2

Nelson Rubens, Edu Guedes, João Kleber, Dennys Motta, Flávia Noronha, Íris Stefanelli, Cacau Colucci e Mariana Leão foram escolhidos para testar seus conhecimentos no ‘Mega Senha’. Todo o valor arrecadado será doado para o Hospital de Câncer de Barretos, instituição apoiada pela RedeTV! desde 2010. 

O colecionador

Marcado para segunda-feira o novo casamento do Fábio Jr. Será a sua sétima cerimônia oficial, além de outras que não chegaram a tanto. Fernanda Poscucci e ele moram juntos há algum tempo. Alguns convidados compareceram a todos os seus casamentos.

Últimas de Diversão