Flávio Ricco: Musicais perdem espaço na TV aberta

A audiência é baixa por que o gosto do telespectador, de um dia para o outro, mudou ou é ruim porque falta capacidade às emissoras de produzir programas melhores?

Por O Dia

Rio - Chama a atenção de qualquer um a ausência quase completa de bons musicais na TV aberta, porque as emissoras, de um determinado momento para cá, resolveram entender que a audiência que eles proporcionam desaconselha maiores investimentos. Melhor gastar com outra coisa. Só que aí vem a questão: a audiência é baixa por que o gosto do telespectador, de um dia para o outro, mudou ou é ruim porque falta capacidade às emissoras de produzir programas melhores?

Porque se, de fato, passou a existir essa rejeição por parte do público, ela se resume apenas aqui ao Brasil, uma vez que em outros tantos países — Estados Unidos e Itália, por exemplo, as produções do gênero continuam, como sempre estiveram, entre as mais preferidas.

Tem que ter um trabalho por trás, que vá muito mais além do que a simples apresentação de um cantor ou cantora num programa qualquer. Trabalho que a Globo, no seu passado, fez tão bem com a série ‘Grandes Nomes’, ‘Som Brasil’, ‘Pirlimpimpim’, ‘Baby Gal’, ‘Chico & Caetano’ e tantos outros. 

Boa chance

Boutique Filmes e GNT já têm a segunda temporada do ‘Desengaveta’ bem encaminhada. Nada no papel ainda, mas já está tudo conversado. A primeira edição, com Fernanda Paes Leme à frente, foi considerada um sucesso.

Menos chances

O programa do Marcão, na Record em Brasília, tirou um pouco o peso do noticiário policial, para investir em outros assuntos, entre eles, um reality de emagrecimento movimentando os repórteres Paulo Vitor Gomes e TJ Fernandes.
A resposta na audiência revela acerto. 

Contrato assinado

A Rede Brasil, que tem Marcos Tolentino como presidente e Jean Teppet à frente da sua direção, acaba de assinar contrato para medição de audiência com a GfK.
A diretora comercial, de marketing & client services, Fernanda Muradas, considera a parceria com a Rede Brasil outro importante marco para a empresa de pesquisas.

Limpando a área

Desde a tarde de quinta-feira, a Record começou a retirar os equipamentos, carretas e até fiação que tinha na GGP e que estavam sendo utilizados no programa do Gugu. O impasse, se ele vai parar ou continuar na casa, permanece. O contrato entre as partes vai até o dia 28.

Conflitos

Se de um lado a televisão não faz a sua parte, do outro, o da música, também tem as vaidades em questão. O velho que não quer avalizar o novo e o novo que acha que estão querendo usá-lo para ressuscitar o velho. Fora o choque de gêneros musicais, que aqui, desde o tempo da TV a válvula, sempre existiu.

Octógono

A autora Glória Perez anda encantada pelo universo do MMA, que estará representado em ‘A Força do Querer’, substituta de ‘A Lei do Amor’, pela personagem de Paolla Oliveira. É muito provável que outros tipos, possivelmente interpretados por jovens atores, também passem a ser exigidos na mesma prática. 

Esquema montado - 1

Ainda às voltas com as negociações para definir o grupo de 2017, o ‘Pânico’ já está com seu planejamento fechado quanto à exibição do programa. O último ao vivo deste ano vai acontecer no próximo dia 18.

Esquema montado - 2

Ao ‘Pânico’ não foi feita nenhuma exigência para deixar nada gravado para o período de férias. Durante todo o janeiro serão exibidas edições com melhores momentos deste ano, para voltar ao vivo em 5 de fevereiro.

Últimas de Diversão