Angela Maria se apresenta em Copacabana

Aos 87 anos, ela participa hoje do projeto ‘Jovens Tardes’, às 16h, no Theatro Net Rio

Por O Dia

Angela Maria faz show em CopacabanaDivulgação

Rio - Quem é rainha nunca perde a majestade. O velho ditado cai como uma luva na trajetória da cantora Angela Maria. Aos 87 anos, ela se apresenta hoje no projeto ‘Jovens Tardes’, às 16h, no Theatro Net Rio, em Copacabana. Thiago Marques Luiz, produtor do projeto e do novo CD da cantora, conta que ela está em ótima forma física e vocal, e muito animada com a fase.

“Angela é uma força da natureza.Acabamos de gravar um disco dela cantando Roberto

Carlos (‘Angela canta Roberto’), com participação do Erasmo Carlos que sai agora em março pela gravadora Biscoito Fino. Vamos montar um novo show e correr o Brasil.E depois da apresentação de hoje, viajamos para a Bahia para fazer amanhã um show na festa de aniversário da padroeira de Santo Amaro da Purificação”, revela Thiago.

O ‘Jovens Tardes’, da produtora Brain +, foi idealizado com a proposta de fazer o público emocionar-se e recordar. Durante todo o verão, um grande artista que tenha se destacado na época da Jovem Guarda ou antes dela, faz show à tarde, no Theatro Net Rio. Angela é a segunda a se apresentar no projeto, e hoje revisita seu repertório —Moacyr Franco abriu a temporada semana passada.

“Vai ser um show com grandes sucessos do passado e de hoje. Também vai ser uma pequena amostra do CD novo, com as músicas do Roberto”, diz a cantora. E ela entrega: Vou cantar uma dele, no final, que gosto porque é uma declaração para o meu público: ‘Como é Grande o Meu Amor Por Você’. É uma forma de agradecer o carinho que recebo há tantos anos”.

Aliás, há 68 anos. Uma carreira construída com muito trabalho e pé no chão. “Essa história de algumas pessoas me considerarem ‘Rainha da Música Popular Brasileira’ , não é bem assim, não me sinto assim. Rainha é a da Inglaterra. Mas por outro lado, fico feliz, porque o público acha isso. Então, não vou desapontá-lo”, diverte-se Angela Maria. E conclui: “ Sou simples. O título é grande, mas sou pequena”.

A cantora que alcançou a marca recorde (está no Guiness), de mais de cem discos gravados, admite que ainda sente ‘frio na barriga’ quando sobe no palco. Hoje, no Theatro Net Rio, ela subirá mais uma vez, e garante que será uma tarde inesquecível. E para ela, sempre é assim. “O público pode esperar a tarde mais feliz da vida dele. E eu, da minha”.

ANGELA CANTA ROBERTO

A intérprete declara abertamente seu amor às canções do Rei, e diz que já cantava algumas em seus shows. Mas que o repertório do CD novo foi escolhido pensando nas letras pouco conhecidas de Roberto Carlos.

“São lindas, coisas que ele não canta mais, como : ‘O Show Já Terminou’, ‘Não Se Esqueça De Mim’ e ‘Eu Disse Adeus’, que é linda demais, e nem sei porque ele parou de cantar. Os arranjos estão maravilhosos”, confidencia. Do disco que está para sair, quem participa é o amigo do ‘Rei’, Erasmo Carlos, em ‘Sentado À Beira do Caminho’. “A gravação está uma beleza”, diz.

E o Rei, o que achou da ideia da ‘Rainha’? “Fui pedir permissão para o Roberto, e ele disse: ‘você é dona do meu repertório, grava o que quiser”, alegra-se.

A cantora lembra que o conheceu bem no início da carreira, quando ele era um jovem rapaz em busca de um sonho. “Fui fazer divulgação na rádio Guanabara, e ele estava lançando o primeiro disco. Ele lá sentado, esperando uma oportunidade. E eu já trabalhando, ia fazer uma entrevista. Olhei e achei que tinha uma coisa especial. Ele disse que era meu fã. Depois veio esse sucesso todo. Roberto é imenso, e já dava para ver naquela época”, reflete. “De todos que quis gravar num CD, só faltava ele”.

CAUBY PARA SEMPRE

Uma das maiores vozes do país, ela opina sobre o maior cantor. “A maior voz do Brasil morreu. Era Cauby (Peixoto). Temos grandes cantores como Agnaldo Rayol, Agnaldo Timóteo. Mas Cauby era Cauby”, emociona-se ao falar do amigo, morto em maio do ano passado. Cauby Peixoto e Angela eram amigos há 67 anos, e segundo a cantora, eram ‘irmãos’.

Angela com Cauby Peixotoarquivo pessoal

“Tenho as melhores lembranças dele. O sorriso, a alegria, nossas conversas, a companhia agradável. Fizemos muitos shows juntos, gravamos muito. O último show dele, ele fez comigo, no Theatro Municipal. Saiu dali para o hospital”, lembra a amiga. A parceria com o cantor ajudou a construir sua história, como ela diz. “Ele já era muito famoso, mas era generoso. É uma saudade eterna”.

Últimas de Diversão