Emanuelle Araújo diz que nunca voltou a se apaixonar por um ex-namorado

Atriz interpreta a Yara na novela 'A Lei do Amor', da Globo

Por O Dia

Emanuelle também comemora sucesso como cantoraDivulgação

Rio - Emanuelle Araújo é atriz. Emanuelle Araujo é cantora. Desde muito cedo, transita com harmonia entre as duas formas de arte de maneira tão natural, que nem distingue um peso ou medida maior para uma ou outra. A voz doce, o sorriso amplo e as madeixas escuras são algumas das marcas registradas dessa soteropolitana de 40 anos. “É lógico que existem momentos onde o foco está um pouquinho mais puxado para uma ou outra devido a demanda do trabalho, mas o meu estímulo, minha força, minha potência é a mesma nas duas carreiras”, frisa a intérprete de Yara em ‘A lei do Amor’, da Globo.

NA TRAMA DAS 21H
Na novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, Yara está separada do marido, Misael (Tuca Andrada), depois que ele deu uma surra na filha deles, Aline (Arianne Botelho), e a garota foi embora de casa. O fim do casamento – apesar deles ainda dividirem o mesmo teto – só aumenta a aproximação entre Yara e Ciro (Thiago Lacerda), ex-namorado dela.

“Também estou curiosa sobre que está por vir. Ela é muito correta, muito honesta, e tem uma visão de família muito forte, então com certeza, após a concretização dessa separação, o caminho fica mais aberto para novos sentimentos”, sugere a atriz. “A Yara é uma mulher complexa, como todas nós somos, como nosso feminino é. Ela teve suas confusões, seus momentos difíceis, mas é uma mulher extremamente amorosa e que busca viver a vida com intensidade e que merece muito ser feliz no final da novela. Espero que ela faça uma escolha guiada pelo coração, pois assim se vive bem”, torce.

NADA DE VOLTAR AO PASSADO
Você já voltou a se apaixonar por algum ex-namorado? “Não sou muito de voltar ao passado. Na verdade, sou nada de voltar ao passado. Sou uma mulher que vive muito o presente intensamente, acho que por isso, de eu ser tão intensa no meu presente, quando uma coisa deixa de existir, ela realmente deixa de existir. Esse é o meu jeito”, frisa Emanuelle.

‘BEM E FELIZ’
Apesar de não ser fã de um ‘revival’, a atriz acredita que sempre vale a pena dar chances ao amor, isso quando ele existe de verdade. “Se o amor não existe mais, não há porque você voltar em situações por apego ou outras coisas”, defende. Quando perguntada sobre o seu estado civil, Emanuelle é sucinta. “Estou bem, feliz, com meu coração quentinho. Cada vez mais eu entendo que a vida é feita do agora, do presente, não importa qual é esse estado. O bom é vivê-lo intensamente”, salienta.

POSTIVIDADE
Emanuelle assume que é uma mulher centrada e que busca enxergar a simplicidade e a leveza em todas as situações da vida. “Já vivi muitas situações na minha vida amorosa de separação, mas eu vejo a vida como uma esquina que você vira e passa pelas coisas e simplesmente tem que seguir em frente. E sempre existe coisa boa, uma situação maravilhosa na sua frente. Sempre foco no que há de bom!”, garante.

CUMPLICIDADE SEMPRE
Para a atriz, quando o assunto é traição, ela explica que a base de qualquer relação é a cumplicidade. Segundo ela, a partir do momento em que a pessoa está realmente envolvida em um relacionamento, e escolheu a vida a dois, são feitos alguns pactos ou acordos que merecem ser discutidos e ajustados ao longo do tempo. “Se relacionar não é uma coisa fácil. Eu já perdoei coisas porque elas simplesmente poderiam estar dentro de acordos, assim como não perdoei coisas que poderiam ser muito mais simples porque elas simplesmente passavam por cima da cumplicidade. A cumplicidade para mim é algo essencial”, pontua com firmeza.

FORA INJUSTIÇA E MENTIRA
E o que te tira do sério? “Injustiça e mentira. Todas essas atrocidades que estão acontecendo no nosso momento político do Brasil. As coisas forjadas, escondidas, maquiadas. Isso me tira bastante do sério”, confessa.

AGENDA DA CANTORA
Vocalista da Banda Moinho — composta por ela, Lan Lahn e o Tony Costa —, Emanuelle ainda se divide entre as gravações de ‘A Lei do Amor’, os shows da banda, e o lançamento de seu primeiro CD solo — ‘A Culpa é da Velocidade’, cuja turnê começa em março — e ainda as apresentações de carnaval.

“No dia 23 de fevereiro é o baile da Orquestra Imperial no Circo Voador, na Lapa. Vou ter um show em Buenos Aires, também com a Orquestra Imperial, na segunda-feira de Carnaval. Na terça-feira de Carnaval estou em Belo Horizonte com o desfile do Monobloco, como rainha de bateria, e na quarta de carnaval estou no Rio fazendo show.

E, também no Rio, tem o desfile do Monobloco após a folia carnavalesca”, conta ela sobre o cortejo que acontecerá no dia 5 de março, no Centro. E como fica a saudade da sua terra natal? “Na sexta e no sábado de Carnaval, se por acaso, não gravar a novela, irei para Salvador. Mas aí depende da agenda da novela porque esse sábado não é feriado no Rio de Janeiro. Mas na Bahia é”, torce, aos risos.

O LADO MATERNO
Mãe aos 17 anos, Emanuelle confessa que está realizada com a maternidade e que tem a sensação de dever cumprido. Sonha em ter um segundo filho? “O futuro quem sabe?”, desconversa, aos risos. A cantora explica que o relacionamento com a filha, Bruna, de 22 anos, é o melhor possível.

“Falo com minha filha absolutamente sobre tudo. Esse é um grande ponto positivo do nosso relacionamento. A gente tem uma relação aberta de muito diálogo e claro que nós já falamos sobre gravidez, até pelo fato de eu ter tido uma gravidez precoce, esse assunto é um assunto falado há muito tempo na minha casa. Não só esse. Nós falamos sobre todos os assuntos de uma forma muito aberta e transparente. Acho isso muito importante em uma relação mãe e filha”,afirma.

Últimas de Diversão