Praça Tiradentes atrai multidões de jovens e 'rouba' frequentadores da Lapa

Com um cardápio musical variado, Baixo Tiradentes atrai todos os gostos. Dá para curtir jazz, carimbó, música latina, pagode, entre outros

Por O Dia

Rio - Os comerciantes da Praça Tiradentes estavam com a corda no pescoço. As obras na região e a extinção dos pontos finais de ônibus afugentaram a clientela. Vários estabelecimentos sucumbiram e os sobreviventes estavam a caminho do cadafalso. Até que, um dia, alguns produtores culturais bateram à porta do Bar Araponga, na esquina da Rua Gonçalves Lêdo com Luís de Camões. Estavam em busca de espaço para fazer música, de graça, para os jovens.

Praça Tiradentes lota mais às quintas-feiras%2C mas não faltam atrações todas as noitesDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

“Como eu tinha uma seresta na quinta e fazia um forró na sexta, dispensei os caras”, lembra o gerente Antonio Gomes, 40 anos. Mas os produtores não se deram por vencido. Andaram mais um pouquinho, até a Rua Imperatriz Leopoldina, e fizeram o mesmo pedido no Bar do Chapéu. O dono do estabelecimento, o cearense Antonio Gonçalves de Medeiros, o Nanam, 40 anos, gostou da ideia e liberou a calçada em frente ao bar para os músicos do Samba Independente dos Bons Costumes.

O resto ficou por conta da vocação histórica e cultural da Tiradentes. Isso foi em abril de 2014. Em poucas semanas, o som feito no Nanam ganhou fama e atraiu milhares de jovens para a região. Quando o Antonio, do Araponga, viu o sucesso do vizinho, não titubeou. “Fiquei surpreso com o profissionalismo dos caras. Aí, convidei eles pra fazer um teste na quinta, no lugar da seresta”.

Cearense Nanam conta que seu estabelecimento 'estava no CTI'%2C até o dia em que foi procurado por um grupo que precisava de espaço para fazer música de graçaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Hoje, o dia de maior movimento é às quintas. Apesar de ser a noite do pagode, toca-se de tudo. “Além de samba e pagode, rola baião, forró, chorinho e instrumental. A gente canta de Dorival Caymmi a Fundo de Quintal”, afirma o cantor do grupo, Vandro Augusto, 27 anos. Nos intervalos, um dos integrantes passa o pandeiro entre o público para recolher o cachê. “Já pingou até nota de euro”, diz Vandro. Nanam ficou sem a principal atração, mas seu ponto já estava consolidado e ele tratou de ampliar a variedade de shows gratuitos.

“A gente fecha na segunda, pra descansar. Mas na terça tem carimbó e música latina; na quarta é jazz; quinta tem forró; sexta é música popular; sábado tem jazz e samba; e no domingo, o pré-carnaval”, explica Nanam, que conta com as redes sociais para atrair mais e mais clientes para suas noites musicais.

Boa música e bebida 

Depois que descobriram o Baixo Tiradentes%2C Larissa%2C Virginia%2C Camila e Loulou não querem saber de outro pointDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

E quem vai uma vez sempre volta. É o caso das amigas Larissa Oliveira, 43 anos, da argentina Virginia Iurinic, 26 (que mora no Brasil há um ano), Camila Felix, 35, e Loulou Chavarry, 37. “Fiquei enfeitiçada. Não saio mais daqui”, conta Loulou, revelando que sempre odiou os eventos de rua, mas que se sente tão bem no Baixo Tiradentes que não quer mais saber de boate.

A estatística Joana Siqueira, 27, explica que a grande maioria dos frequentadores da Tiradentes veio da Lapa. “O pessoal daqui frequentava o Bar da Cachaça (Lapa). Aqui tem música e isso faz toda a diferença”, justifica a mudança. “Aqui tem menos tumulto e confusão”, explica o corretor de imóveis Yuri Fadel, 29, outro que trocou a Lapa pela Tiradentes.

No embalo do Araponga e do Nanam, o Frango Diplomata também montou sua programação cultural: um forró, às quintas. O vendedor Felipe Nogueira, 33, é frequentador assíduo. “O forró começou a bombar faz um mês. O foco é aqui”, se empolga Nogueira, que mora na Tijuca. Feliz da vida, Antonio do Araponga, que por pouco não faliu, contratou mais dois funcionários. “A chegada dos eventos deu uma levantada. Se não fosse isso, a gente não ia sobreviver. Tiraram a corda do pescoço da gente”.

Trio Moinho D’Água%2C do sanfoneiro Nizo Jeremias%2C toca no Frango Diplomata há cerca de um mêsDaniel Castelo Branco / Agência O Dia


Últimas de Diversão