Igor Rickli sai em defesa de seu personagem em 'O Rico e Lázaro'

Ator acredita que todo mundo pode mudar, diz que a novela, apesar do tema bíblico, fala de evolução e deseja aumentar a família

Por O Dia

Rio - O poder das escolhas. Igor Rickli, o Zac, da novela ‘O Rico e Lázaro’, acredita que elas podem determinar os rumos de cada um na vida: positiva ou negativamente. O protagonista do folhetim bíblico, ao lado de Dudu Azevedo, que vive o hebreu Asher, ressalta que esse é o principal tema da trama dirigida por Edgard Miranda e ambientada em 600 a.C. 

Igor Rickli vive Zac em ‘O Rico e Lázaro’Divulgação

“A novela fala muito de escolhas. Mas não estigmatiza as pessoas. Mostra que sempre tem tempo para mudança, transformação, se você se conscientiza”, esclarece o ator. “Na minha vida, também acredito nisso. Acho que, se quiserem, as pessoas mudam, tudo depende das condições. Todo mundo se tiver oportunidades pode se transformar”.

Vivendo seu primeiro protagonista, Rickli defende seu personagem na trama que conta a história de dois homens — Zac e Asher —, que tiveram as mesmas oportunidades, mas seguirão caminhos diferentes após a morte, e só um deles conhecerá o paraíso. “O Zac não é um vilão, é um ser humano que tem tudo dentro de si: o bem e o mal. Cresceu sem receber bons princípios e amor. Tem caráter frágil. Fica em busca de aprovação”, diz.

O ator vai além e identifica pontos em comum com o hebreu. “Procurei muitas coisas dentro de mim e encontrei. Ele é emotivo, intenso, também sou. O que nos difere é a formação familiar. Mas ele é próximo de mim, por isso defendo”.
Em seu segundo trabalho na emissora (ele fez o vilão Marek em ‘A Terra Prometida’, no ano passado) , o ator paranaense, nascido em Ponta Grossa, destaca a qualidade da produção e fala sobre o novo nicho na dramaturgia. “Tem acabamento de primeira, do texto à técnica. É uma superprodução e vai ser um divisor de águas para a Record”, opina.

“É importante dizer também que, na novela, embora o tema seja bíblico, e tenho respeito pelos temas, não falamos de religião, falamos de evolução. Então, refletimos fazendo. É importante ter esse olhar atento do público. Não é só para quem gosta de religiosidade, é para todos que gostam de uma bela história e uma grande produção.”
‘O Rico e Lázaro’ promete fortes emoções, e Igor adianta que a trama terá muitas reviravoltas envolvendo os amigos protagonistas. “Zac e Asher têm uma ligação forte desde a infância, mas vão passar por conflitos que vão colocar a relação à prova. Eles acabam rompendo a amizade. Não é que Zac tenha agido por maldade, mas por ímpeto. Não é falta de afeto pelo amigo”, conta ele, referindo-se à disputa pelo amor da hebreia Joana (Milena Toscano), que fecha o trio de protagonistas da história.

Dudu Azevedo%2C Milena Toscano e Igor Rickli Divulgação

No momento, o personagem de Igor volta para Jerusalém após sete anos afastado da cidade. Ele foi embora após ser rejeitado por Joana e ter problemas com o pai, Chaim (Henri Pagnoncelli). Ele ainda ama a moça, mas mesmo assim tenta ajudar o amigo Asher a se casar com ela. Depois de anos afastados, Zac se tornou um comerciante na Babilônia e ficou rico. “Ele pode ter feito escolhas que eu não concorde, mas sempre amou o amigo”, afirma Rickli que, na vida real, também tem amizade e admiração por Dudu Azevedo. “O clima dessa novela é muito bom, de toda equipe. E o Dudu é assim, deixa um astral bom por onde passa. É querido por todos e bom profissional.”

ROTINA EM FAMÍLIA

Casado com a cantora e atriz Aline Wirley, ex-integrante do grupo Rouge, há sete anos, Igor conta que o pequeno Antônio, filho do casal, de 2 anos e meio, o assiste no folhetim. “Ele me vê na TV e faz festa, curte. Está entrando numa fase gostosa, que troca mais. Sempre penso que tenho que ensinar coisas boas para ele, como respeito pelos outros”, conta o ator, reafirmando que ele e Aline desejam ter mais filhos em breve. “Pretendemos ter outro filho e também adotar. Mas não digo que fecharíamos a fábrica em três”, diverte-se.

As paixões de Rickli incluem o trabalho, a família e curtir sua espaçosa casa no Alto da Boa Vista na companhia dos amigos. “Adoramos receber. Sou tranquilo, vim do interior, curto a casa, o contato com a natureza. É o lugar que recarrego as baterias, o meu lar”.
Embora não tenha do que reclamar, o ator de 33 anos deseja apostar em personagens diferentes no futuro. “É sempre um desafio. Mas quero fazer personagens bem distantes de mim. E mergulhar no cinema”, diz.


Últimas de Diversão