Petrópolis recebe musical versão da série 'Glee'

Maestro diz que série americana estimula a procura de alunos pelo coral Dó Ré Mi

Por O Dia

Rio - Aos 28 anos, o maestro Leonardo Randolfo tem inacreditáveis 16 anos de carreira à frente de corais. Com 12 anos, montou o infantil Dó Ré Mi, que comanda até hoje em Petrópolis, e com o qual gravou um CD pela Biscoito Fino, ‘Transformando Sonhos em Harmonia’. Na época, tinha vindo dos Canarinhos de Petrópolis e, com eles, chegou a participar de um show para o Papa João Paulo II.

O maestro Leonardo Randolfo comanda o grupo infantojuvenil Dó Ré Mi%2C que lançou o primeiro CDDivulgação

“Na época, percebi que queria passar para outras crianças um pouco do que tinha aprendido”, conta Leonardo, que se iniciou dando aulas para crianças especiais e foi expandindo as turmas. “Dava aula para crianças mais velhas. Lembro que eu era muito rígido, para me respeitarem, e alguns pais mandavam os filhos para ter aula comigo porque eu poderia dar um jeito neles”. 

MADRINHA FAMOSA

O repertório do disco do Dó Ré Mi é pop: tem Sandy & Junior (‘Quando Você Passa’), Alceu Valença (‘Coração Bobo’), Roupa Nova (‘Clarear’) e uma música de Erika Ender, a coautora do hit ‘Despacito’ — seu hit ‘Luna Nueva’ virou ‘Me Namora’ nas mãos de Randolfo.

“Fiquei muito feliz com a versão em português. Muito grata em poder participar de desse projeto”, alegra-se Erika. “Estamos pensando numa colaboração com ela quando ela voltar ao Brasil”, anuncia Randolfo.

Quem tem grande proximidade com o coral é a italiana Mafalda Minozzi, hoje madrinha do Dó Ré Mi. “Ela veio a Petrópolis, conheceu o projeto e se apaixonou. Sempre cantamos juntos, participamos até de DVD dela”. Do CD do ‘Dó Ré Mi’, participam Mafalda, Paulinho (Roupa Nova), Lucy Alves e as meninas do ‘The Voice Kids’ Laura Schadeck e Bia Torres.

‘GLEE’ BRASILEIRO

Falando no ‘The Voice Kids’, ele e o ‘Glee’ acabam incentivando a procura de alunos pelo coral, que hoje tem integrantes de 7 a 16 anos. “Chamam a gente de ‘Glee’ brasileiro, até”, alegra-se, dizendo que recentemente a procura aumentou. “Fiz audições para mais de 200 crianças. Esses programas estimulam o sonho. Cabe a nós direcionar o talento. Não basta ser um talento, ele tem que ser direcionado e lapidado”.

Últimas de Diversão