Renata Castro Barbosa no 'Zorra'e no teatro

São 35 anos de carreira contados no teatro e na TV, através dos mais variados personagens

Por O Dia

Rio -  São 35 anos de carreira contados no teatro e na TV, através dos mais variados personagens. Renata Castro Barbosa, do elenco do novo 'Zorra', na Globo, não viu o tempo passar, lembra do início de tudo como se fosse hoje, mas admite que a trajetória é fruto de muito trabalho. "Tenho 44 anos, comecei aos 11, fazendo teatro no colégio. Meu pai era amigo da Maria Carmem Barbosa, que na época era produtora de elenco. Aí, ela me levou para conhecer os estúdios de TV, mas não queria conhecer, queria fazer", diz, bem-humorada. "Depois disso, ela me chamou para fazer um teste para uma série que não aconteceu e acabei fazendo 'Vale Tudo'", conta a atriz, sobre o seu primeiro papel na TV em 1988.

Renata Castro Barbosa%2C Robson Torinni e atriz Isabel Cavalcanti na peça 'A Sala Laranja%3A no Jardim de Infância'Divulgação

No novo 'Zorra', ela está na praia que curte, a do humor. "E essa versão faz um humor provocativo. Fazer esse 'Zorra' tem me transformado. A peça também. Faz com que eu tenha sempre que me posicionar como ser humano, como artista. Mas sem essa de esquerda e direita, todos estamos buscando caminhos", opina.

Além da TV, Renata faz questão de manter a frequência nos palcos e está em cartaz, até 29 de outubro, com 'Sala Laranja - No Jardim de Infância', dirigida por Victor Garcia Peralta, no Teatro Cândido Mendes, em Ipanema. No texto inédito no Brasil da dramaturga argentina Victoria Hladilo, ela vive Sandra, uma das participantes de uma reunião de pais que convivem forçadamente para decidir detalhes da vida escolar dos filhos. A atriz, que é mãe de João, 12 anos, de sua união com Bruno Mazzeo, que durou até 2008 - ela já está casada há oito anos com o músico Pedro Mamede - diz que a peça fala de temas urgentes e contemporâneos. "Tenho um filho e passei por algumas situações nessas reuniões. A peça tem comédia, mas falamos de egoísmo, de ego, intolerância e violência", esclarece. "Passar as mãos na cabeça dos filhos o tempo todo cria seres egoístas. Tem que olhar para o outro, dar limite. A peça também fala da impotência dos professores hoje em dia".

MÃE DE PEIXE

A carioca confessa ser 'mãezona'. "Gosto de participar da vida dele, buscar no colégio", afirma ela, sobre o filho João, que além dos pais atores, é neto de Chico Anysio (1931-2012). "Adoraria te dizer que ele vai ser dentista, mas não vai", diz, aos risos.

Renata fala da vocação natural do filho, sem expectativas, mas com admiração. "João cria piadas na hora, uma coisa que o Chico fazia, e dirige. É meio multimídia. Participou do filme 'Chocante', que o Bruno faz e vai ser lançado amanhã", conta. "Ele diz que deseja ser ator. O que digo para ele é o que digo para qualquer pessoa: o glamour é para muito poucos. Eu mesmo não fiz um sucesso retumbante, tudo meu foi suado. O pai também é ralador. Digo que ele tem que se esforçar e pode ser o que quiser", completa.

Últimas de Diversão