Lili Rodriguez: O amor pela música

Samantha Schmütz vai estrear seu primeiro trabalho que não envolve comédia

Por O Dia

Rio - Nossa convidada de hoje é nada mais nada menos que 'Juninho Play'. Ops... Samantha Schmütz. Ela, que viveu o personagem durante anos no programa 'Zorra Total', contou que vai estrear seu primeiro trabalho que não envolve comédia. Vai viver Solange em 'Carcereiros', nova série da TV Globo. A trama, de 12 capítulos, já conta com uma segunda temporada. Com direção-geral do cineasta José Eduardo Belmonte, foi inspirada no livro homônimo do médico Drauzio Varella. A atriz, que está no seriado 'Vai que Cola', no Multishow, revela ainda seu lado cantora e o prazer de fazer seu primeiro musical.

Samantha SchmützDivulgação

Fale um pouco sobre você.

A melhor definição sobre mim é que sou uma pessoa de muita sorte por ter a certeza do que vim fazer no mundo: ser artista. Minha sorte é ter nascido de pais que sempre me apoiaram e me educaram dando asas à minha liberdade de escolha. Não acredito em sorte na profissão. Acredito em talento, dedicação, vocação e paixão. Creio que assim se chega ao sucesso.

Quando começou na profissão?

Considero o início, a primeira vez que subi ao palco de maneira profissional, que foi uma apresentação de jazz com um grupo de dança, do qual minha mãe era a coreógrafa.

Qual sua personagem marcante?

Sem dúvida, o Juninho Play. Porque é ele que me apresenta ao grande público e mostra também um desprendimento artístico ao me travestir, porque nem sempre vemos mulheres vestidas de homem na TV ou cinema. Já o contrário é bem mais comum! Acho ele um personagem original e ousado!

Maior desafio da carreira?

Talvez seja esse momento de agora, em que quero muito apresentar o meu trabalho musical. Sou muito conhecida como uma comediante, quero que as pessoas entendam que sou uma artista com mais possibilidades.

Momento saia justa?

Quando alguém me para, diz que me conhece e não lembra a pessoa. Acontece e eu fico numa saia justa.

Momento marcante?

Tive dois encontros musicais com Criolo no palco que foram muito importantes para mim, pois na minha opinião, ele é o artista que eu mais admiro no cenário musical hoje. Sou fã demais e, devido a isso, hoje em dia somos grandes amigos. Poder fazer parcerias com os seus ídolos não tem preço.

Quando a música entrou na sua vida?

Desde muito criança, meu pai me incentivou, me ensinava músicas do Roberto, Erasmo, Ney Matogrosso, e ele tinha mania de gravar esses nossos ensaios musicais em K7, que eu guardo até hoje.

Como surgiu a ideia de fazer o musical 'Samantha Canta'?

Foi uma ideia minha com os diretores do Multishow. Eles sabiam da minha paixão por música e, no canal Bis, eles têm um programa de cover, 'Na voz delas'. A partir dele, fizemos o 'Samantha Canta'.

Pretende seguir com a carreira musical?

Sempreeeee... Cantar é onde eu surfo a minha maior onda.

Conte uma novidade para 2018?

A nova série da TV Globo 'Carcereiros'. Foi muito importante para mim, pois foi o primeiro trabalho na TV que envolve zero comédia.

Tem alguma superstição?

Sempre entro no palco com o pé direito.

O que te tira o sono?

Falta de profissionalismo.

Onde pretende passar o Réveillon?

Ainda não decidi, mas gosto de passar na praia, acredito que um mergulho renova as energias.

O que quer ganhar de Papai Noel?

Muita saúde e prosperidade para minha família.

Família é...

A coisa mais importante da vida, são as pessoas que realmente eu posso contar.

Um beijo para...

Meu marido (Michael Cannet), meu companheiro de todas as horas!

Um sonho.

Ver um Brasil com menos desigualdade social! Oportunidades para o nosso povo, cultura e educação!

Últimas de Diversão