Jayme Matarazzo diz que não recebe tratamento diferente por ser filho do diretor

Ator fala das maldades de seu personagem, conta que não planejou ser ator e revela o desejo de "contar histórias" como diretor

Por O Dia

Jayme Matarazzo interpreta médico em 'Tempo de Amar'Arthur Germano

Rio - Com alguns "bons moços" no currículo, Jayme Matarazzo vive em 'Tempo de Amar' seu primeiro vilão. E não é qualquer malvado. Tendo como combustível o desamor de Maria Vitória, vivida por Vitória Strada, a protagonista da trama, seu personagem, o médico Fernão, vai fazer de tudo para conseguir o que realmente deseja: ser um homem poderoso como José Augusto (Tony Ramos), o pai da mocinha. História digna dos melhores folhetins de época e com um vilão à altura. "Ele tem um desvio de caráter. E vem me surpreendendo com a quantidade de maldades", diz Jayme, que procura humanizar seu Fernão.

"Tem um misto de amargura e frustração dentro dele, é uma bagunça de sentimentos. Podia ter sido um menino do bem, ter se casado com a Maria Vitória. O destino dele era certo e mudou, veio a rejeição. Ele passou por um momento de muita mudança", esclarece.

A trama das seis promete esquentar nos próximos capítulos no que diz respeito ao destino do médico. Ele conseguiu conquistar Tereza (Olivia Torres), já que sabe que ela tem uma ligação forte com José Augusto (Tony Ramos) e pensa nas vantagens desta união. E também intui que o influente dono da Quinta da Carrasqueira é mais do que padrinho da jovem - Tereza é filha não reconhecida de Augusto com Delfina. Tanto que vai se casar em segredo com ela.

Jayme Matarazzo%2C Vitória Strada e Bruno CabrerizoJoão Miguel Júnior / TV Globo

"É um personagem frio, calculista. Tem um plano e vai colocá-lo em prática. Ele faz as maldades, mas é o grilo falante. Joga na cara seus erros. Vai fazer isso com o personagem do Tony Ramos. Ele gostaria de ter poder, dinheiro, terras. Ali surge uma grande disputa. Está mexendo com as duas filhas da pessoa mais poderosa da cidade", analisa. E avisa: "Vem coisa muito pior por aí".

Será que o 'feitiço vai virar contra o feiticeiro'? Será que Fernão se apaixona por Tereza? "Olha, não sei... A partir do momento que ele perdeu o amor, se perdeu também. O amor faz com que entremos nos eixos. Tomara que ele o encontre", desconversa.

CRIA DO SET

Jayme imaginava começar a carreira artística contando histórias, mas não exatamente como ator. Ele queria dirigir, tanto que cursou cinema em São Paulo, onde morou até os 23 anos. Foi na minissérie 'Maysa: Quando Fala o Coração' (2009), que conta a história da cantora, sua avó, que ele estreou, interpretando o pai, Jayme Monjardim, quando jovem e dirigido por ele. "Fui um menino que frequentou set de gravação. Desde cedo tenho contato com a profissão. E é profissão fácil de se apaixonar", conta. "Aí veio 'Maysa', que foi uma grande homenagem. E foi o grande estalo. Isso fez com que enxergasse a profissão com outros olhos", lembra.

"O resto foi natural. Ao acaso. De maneira orgânica, bonita e não premeditada. E também fui sendo descoberto por pessoas bacanas. Não consegui fugir", diz o ator, aos risos.

Ele observa que, por ser filho de Monjardim, sempre teve um entendimento mais realista da profissão. "Exige muito preparo, dedicação, tem que mergulhar. É o que procuro fazer, vivo cada trabalho intensamente". E afirma que nunca teve tratamento diferenciado. "O set com meu pai é natural, saudável, inspirador. Antes de ser meu pai, é um dos diretores com uma das maiores histórias na TV brasileira. A maior característica dele é o respeito e apego que tem à história que conta. A história sempre será a maior protagonista dele. E ele abraça o elenco por igual".

DESCANSO E VIAGENS

Casado há um ano com a empresária Luiza Tellechea, Jayme diz que, após a novela, seus planos são muito descanso e viagens. "Eu e minha esposa somos caseiros, mas adoramos viajar. Tenho o sonho de conhecer o mundo", conta. "Ano que vem, vamos fazer um projeto, um site sobre as viagens", revela o ator, que não descarta também dirigir um dia. "Sou apaixonado por contar histórias. Preciso concluir a faculdade. Mas estudo isso desde pequeno. Desde criança quero contar histórias. Tem várias maneiras de contar. Hoje, conto abraçando um personagem. No futuro, quero produzir minhas coisas. Tudo tem seu tempo".

 

Últimas de Diversão