Proteção à moda antiga

Cariocas e turistas resgatam a sombrinha contra o sol

Por O Dia

Rio - Sai a chuva e entra o sol mas elas continuam lá, sempre presentes. As sombrinhas já foram símbolo de elegância de famílias abastadas, em tradição que vem do século XIX. Com o forte calor, os cariocas resgataram o velho hábito. 

Com estampas variadas, desde as mais sóbrias, como preta ou branca, até as mais divertidas como as de bichos ou bolinhas, as sombrinhas voltaram às ruas como acessório de moda e são úteis para proteger-se do sol forte ou até mesmo da chuva de verão do fim de tarde. A autônoma Vanda Santos não sai de casa sem proteção. Por ter a pele muito clara, ela usa o acessório como proteção a mais. “Uso protetor solar e a sombrinha. Como trabalho meio período, o sol pela manhã está mais fraco, mas na saída, à tarde, está de rachar e uso a sombrinha para proteger”, diz.

Para a atriz Duda Meneguetti, que é gaúcha e está no Rio para gravar novela, a sombrinha é a solução para se proteger do sol da Cidade Maravilhosa. “Eu sou muito branca e aqui preciso usar sombrinha e protetor solar fator 50 no mínimo.”

Atriz gaúcha Duda Meneguetti está no Rio para gravar e não abre mão da sombrinha. Na pele sensível%2C usa também protetor solar%2C que é recomendado por dermatologistasMaria de La Gala / Agência O Dia

Outra adepta do acessório, a assessora de imprensa Ana Crys, diz que o uso da sombrinha é imprescindível durante todo o verão. “Uso sombrinha até para ir ao mercado que fica a 100 metros da minha casa”, diz. 

Com grande variedade, as sombrinhas podem ser encontradas por preços entre R$ 10 e R$ 650, no comércio popular como o Saara e em lojas de artigos de marca, como a Carolina Herrera. Para os modelos clássicos, uma opção é a Burberry. Os preços os variados mas em torno de R$ 450. 

Lojas de varejo também apostam no acessório. Na Baggagio, uma sombrinha pequena, para levar na bolsa, sai por R$ 40. Já na Mala Amada, uma sombrinha de Poá Preto custa em torno de R$ 55,90. Para quem prefere adquirir o produto pela internet, uma opção é o site especializado em sombrinhas. Lá são encontrados os mais variados modelos e cores apropriados para o verão a partir de R$ 30.

Ana Crys conta que usa a sombrinha até para ir ao supermercado%3A ‘Considero imprescindível o uso deste acessório sob o sol forte’%2C dizMaria de La Gala / Agência O Dia

Chapéu é alternativa para enfrentar raios solares

Outro acessório que saiu do armário devido ao forte calor foram os chapéus. Os homens preferem este tipo de proteção geralmente pela praticidade de transportá-lo. “Prefiro o chapéu à sombrinha. Você coloca na cabeça e pronto, está protegido e sem ocupar as mãos. Eu uso sempre para sair, principalmente à tarde quando o calor é mais forte. Quando vou à praia prefiro usar os bonés”, diz o administrador Diego Ramos.

Mas não são só os homens que utilizam o chapéu, o acessório também faz a cabeça das mulheres. Modelos variados e cores não faltam para agradar todas as cabeças. Capeline, Panamá, além dos coloridos, estampados e com laços. Tem pra todos os gostos. 

A Garimppo, em Ipanema, aposta em palha sintética. Custa R$ 55 e é uma espécie de papel de alta qualidade, enrolado até fechar as tramas. O tradicional chapéu de palha com faixa de tecido sai a R$ 80, na Blue Man.

Frente fria só na segunda quinzena

Após dois dias seguidos com recorde de calor no Rio, a máxima de ontem foi de 39,7 graus, em Santa Cruz, na Zona Oeste. Segundo o Instituto Climatempo, a temperatura só deve aliviar a partir da segunda metade de fevereiro, para quando está prevista a chegada de uma frente fria. A máxima prevista para hoje é de 40 graus.

Para a dermatologista Márcia Linhares, o chapéu e a sombrinha são proteções físicas contra o sol e quanto mais escura a cor maior a proteção. “Os raios solares podem penetrar pela trama do tecido, por isso não devemos dispensar o filtro solar, além da sombrinha. Eles refletem na rua, asfalto e podem afetar a pele. Nunca dispensamos o filtro solar”, alerta.