Por rafael.arantes
Rio - Dia de lembranças: Há um ano, Marcone Sacramento, ex-mestre de bateria da Imperatriz Leopoldinense, foi assassinado em Olaria, deixando para os amigos, familiares e admiradores o sentimento de grande saudade. Adorado pelos ritmistas e demais integrantes da escola, o comandante era certeza de sucesso e o dia 13 de maio ficará sempre na memória dos amantes da Verde e Branco.
Prêmios e notas 10 eram a especialidade de Marcone. Comandante da bateria Swing da Leopoldina entre os anos de 2007 e 2011, o sambista era unanimidade dentre os especialistas. Sempre elogiado, inclusive por outros mestres, era ele a referência para o grupo de ritmistas da Verde e Branco, era este o homem forte da bateria da Imperatriz.
Mestre Marcone ainda deixa saudades na escola de RamosDivulgação

Para quem o via de longe, o jeito fechado aparentava, às vezes, a ideia marrenta, no entanto, o convívio era outro. Diretores, ritmistas, amigos, colegas.. A simpatia de Marcone exalava dentre todos que presenciavam o dia a dia do sambista, que deixava o lado sério para os momentos de trabalho.

Publicidade
Líder não só pelo cargo ocupado, Marcone defendia os ideais de seus ritmistas. Era o primeiro a ouvir e agradar, sem deixar de lado as cobranças nas horas de seriedade. Um ano após a morte, o fato parece ter sido deixado de lado pelas autoridades, mas mesmo sem confirmações e com investigações paradas, a perda não cai no esquecimento de quem viveu ao lado de uma surpresa revelação, que em pouco tempo virou certeza de destaque.
Confira algumas mensagens publicadas no Facebook em memória de Mestre Marcone:
Publicidade
Vitor Salgado - Ritmista da Imperatriz Leopoldinense
Hoje seria uma data para comemorar, mas infelizmente não é um dia só de felicidade.
Há um ano atrás, meu mestre deixou de fazer parte desse mundo, mas está em um bom lugar, ao lado de Deus. Queria aproveitar esta data para homenageá-lo, sendo que é f... homenagear quando se não está aqui em vida. Valeu Marcone, amigos de verdade nem a distância e o tempo separam, pois são eternos

Victor Felix - Ritmista da Imperatriz Leopoldinense
Queria ter dito o quanto era querido em minha casa, mesmo tendo certeza que já sabia, e poder ter te dado um último abraço. Você sempre estará vivo no meu coração, irmão. Obrigado pela sua amizade. Descanse em paz!

Marcone se destacou no comando dos ritmistas da ImperatrizDivulgação

Jú Ferreira - Ritmista da Imperatriz Leopoldinense
É, um ano... Um ano que passou, e a saudade de tudo que já aconteceu continua. Sinceramente, não gosto de lembrar desse dia mas, infelizmente, é impossível esquecer.

Bruno Santana - Ritmista da Imperatriz Leopoldinense
É, um ano se passou,mas parece que foi ontem. Triste lembrar deste acontecimento, mas impossível esquecer deste grande homem, grande ser humano e grande mestre. Sou muito grato por todos os ensinamentos,você se foi mas pode ter a certeza que sempre será lembrado, não somente nos nossos pensamentos, mas em nossos corações e no que você mais gostava de fazer, que era aquele ritmo de primeira. Sentimos muito sua falta, você foi e sempre será nosso eterno mestre.
Publicidade