Eterno apito: Referência no Carnaval, mestre Jorjão reforça amor pelo samba

Mesmo afastado do espetáculo, veterano admite desejo de retornar e afirma: 'O bonito disso tudo é a raiz de cada escola'

Por O Dia

Rio - Jorge de Oliveira: Um nome simples e que muitos não imaginam o que realmente representa para o Carnaval. Mestre Jorjão fez história. O sambista de 59 anos comandou baterias como Viradouro, Santa Cruz e Imperatriz, mas é pela Mocidade Independente, onde também desempenhou a função de mestre, que seu coração bate mais forte. A história na Verde e Branca é longa e lembrada como se fosse totalmente recente.

Escola do coração: Mestre Jorjão já comandou a bateria da Mocidade Independente de Padre MiguelPaulo Toscano / Agência O Dia

"Comecei no samba com seis anos, meu pai sempre me levava para a quadra no colo. Na verdade, nem era uma quadra não é? Era uma casa, uma pequena residência que fazia samba. Minha história com a Mocidade é muito grande, é a minha escola do coração. Minha mãe foi primeiro destaque de lá e presenciei muita coisa em Padre Miguel. Desfilei em ala coreografada, empurrei carro alegórico, ajudei a fazer coisas da quadra. É muita coisa que fica guardada. O bonito do samba é essa raiz de cada escola. As coisas complicadas a gente tenta deixar de lado", contou Jorjão, que também ressaltou o carinho pela Viradouro, escola pela qual teve duas passagens como mestre (1996 a 1998 e 2010).

"A Viradouro é a minha segunda paixão. É uma escola que me acolheu de braços abertos e que tenho grandes memórias. Tive uma grande felicidade lá, que foi no ano que fizemos a paradinha funk. No geral, sou muito feliz por tudo que fiz no Carnaval. Chego em Niterói e todos me abraçam, consigo ver que sou bastante querido", acrescentou.

Mestre Jorjão revelou grande carinho pela Viradouro%3A 'Me acolheu de braços abertos'Arquivo

Mestre sonha em voltar ao Carnaval

Com seu último desfile como comandante em 2010, Jorjão não deixa de lado o desejo de voltar à ativa no Carnaval. O mestre de bateria revela que já trabalha com a possibilidade de voltar ao cenário das baterias o espetáculo de 2015, mesmo preferindo não comentar sobre as sondagens recebidas.

"Sempre existe o desejo de voltar. Amo o Carnaval e gosto muito deste serviço que é ser mestre de bateria. A gente sempre espera uma oportunidade e acredito que possa ser para o desfile de 2015. No geral é isso, vamos trabalhando e esperando. É melhor não falar sobre nomes para não dar azar (risos)", comentou o mestre, que explicou o motivo pelo qual se afastou do Carnaval.

"Tirei essas férias principalmente pelas grandes polêmicas do mundo do samba. Eu gostaria muito que os diretores de bateria formassem uma classe mais unida. Tem muita gente que faz de tudo para tentar pegar o posto dos mestres e até sem ter condições disso. Graças a Deus eu tenho um ótimo relacionamento com todos os companheiros de baterias, mas esta situação é uma coisa que me entristece muito", desabafou.

Criado em Padre Miguel%2C Jorjão guarda na memória as boas lembranças do tempo de MocidadeWilton Júnior / Agência O DIA

Longe da Sapucaí, Jorjão vem desempenhando a função de jurado da Riotur para a escolha das bandas que se apresentam no Carnaval de Rua, como julgador de bateria do espetáculo de Porto Alegre, auxiliando a escola de samba Juventude, de Juiz de Fora, e também comandando a bateria "BN10", num projeto particular: "Tudo vem dando certo e fico muito feliz com isso. São essas coisas boas que guardamos pelo resto de nossas vidas", concluiu.