Por tamyres.matos
Rio - ‘Pelas ruas que andei, procurei, procurei...”, canta Alceu Valença. Basta um olhar atento, um coração aberto, generoso, para ver que as ruas falam por si só. E as ruas do Rio de Janeiro parece que falam ainda mais: encontros de amigos, samba na praça, malabares nos sinais, a cadeira na calçada. Nelas, vejo a tradução de um povo, às vezes, apenas os ares de quem passa. Eu adoro as ruas da cidade! Esta coluna é dedicada a todos os que fazem das ruas a sua casa e que nelas revelam sua arte. E, claro, a todos os que fazem o Carnaval. Que São Sebastião, nosso padroeiro, abençoe essa morada!
TURMA DE TRADIÇÃO

Eles não economizam na hora de brincar o Carnaval, com fantasias que podem custar mais de R$ 1 mil . São as turmas de bate-bolas do Rio, que fundaram a primeira Associação de Bate-Bolas do Brasil. Dos 120 grupos, a maioria está em Realengo, Campo Grande e Padre Miguel, e a Turma do Pica-Pau é a mais antiga. Para Michel Magalhães, presidente da nova associação, chegou a hora de mostrar a cara ao Brasil: “Temos que divulgar nossa tradição.”

Turmas de bate-bolas do Rio fundaram a primeira Associação de Bate-Bolas do BrasilPublius Vergilius / Ginga Fotos

BONS COSTUMES

Publicidade
Foi em 1988. A Cúria perdeu a paciência e a turma do Suvaco do Cristo foi chamada à Delegacia de Costumes, que não existe mais. “Com esse nome ninguém sai!”, diria o delegado. “Lembramos a ele do Saco de São Francisco, que nos parecia bem mais chulo. Mas havíamos mexido com o Papa, contrariado a boa moral”, conta João Avelleira, fundador.
“Foi o pessoal do Simpatia, sempre bem relacionado, que nos ajudou. O então secretário de Justiça, Nilo Batista, conseguiu a autorização. Mas o bloco tinha que mudar de nome, era a condição. O tiro saiu pela culatra e toda a imprensa noticiou: Bloco do Suvaco, ex-Suvaco do Cristo, desfila no Jardim Botânico. Durou só aquele Carnaval.”
Publicidade
LOUCURAS ACROBÁTICAS
“Tá certo ou não tá”? Esse era o bordão do palhaço Carequinha, que vai ser homenageado pelo bloco de Laranjeiras De palhaço e de louco todo mundo tem um pouco. Filho de trapezistas, ele estreou no picadeiro aos cinco anos. O enredo ‘Enfim, o Palhaço enlouqueceu!’ promete “loucuras acrobáticas”.
Publicidade
ARARA DE SEGUNDA
‘A arara volta às ruas’. O tema do Glorioso Bloco de Segunda faz uma referência às manifestações populares de 2013. A ave é o símbolo do bloco desde o primeiro desfile, em 7 de setembro de 1987. A ideia era fazer uma crítica, de forma irreverente, à parada militar. Depois, o bloco passou a desfilar no Carnaval, arrastando multidões. O lançamento da camiseta, assinada mais uma vez pelo artista plástico Betuca, é hoje, a partir das 19h, na Cobal do Humaitá.
Publicidade
BAR DO COSTA
O Eu sou eu, jacaré é bicho d’água vai cantar o finado bar em Vila Isabel, com o enredo ‘Botequins do Rio, reduto da boemia carioca: uma homenagem ao saudoso Bar do Costa’. A moçada que fundou o bloco manteve lá a sua sede a céu aberto, na esquina das ruas Torres Homem e Visconde de Abaeté. O bar foi fechado e a rapaziada não teve dúvidas: o Bar do Costa está no samba e na camiseta de 2014, com ilustração de J. Victtor, a ser lançados dia 25, no local.
Publicidade
CONFETES
Carmelitas e Céu na Terra, blocos de Santa Teresa, aguardam definições da Riotur sobre o cronograma de obras do bondinho para saber onde vão desfilar.
Publicidade
Tem Cazuza no pedaço. Show de música com holografias, computação gráfica e técnicas de projeção vai trazer o cantor de volta ao palco. Sábado, na Praia de Ipanema, na altura da Rua Paul Redfern, a partir de 19h.
O Bloco do Gato Mole — que vem com o Frajola na camiseta deste ano —, faz ensaios nos dias 26 de janeiro e 23 de fevereiro, na Rua Paulo Moura, em frente ao bar Petisko.com, em Queimados, sempre às 16h.
Publicidade
Quem for à Feirinha da Praça São Salvador, sempre aos domingos, não pode deixar de experimentar os famosos Bolinhos da Beth. Tem de carne seca, de carne moída, de camarão...
Profissionais ligados às artes de Momo podem se inscrever no Portal do Carnaval, uma rede social para empreendedores, grupos e instituições culturais ligados à Economia Criativa do Carnaval. Em www.portaldocarnaval.net.br.
Publicidade
Rita Fernandes é a colunista