Unidos da Tijuca e Portela são as favoritas ao título do Grupo Especial

Ilha, Imperatriz, Grande Rio, Salgueiro e Beija-Flor vão brigar ponto a ponto por uma vaga no Desfile das Campeãs. Vila, Império da Tijuca e São Clemente correm risco de cair

Por O Dia

Rio - Após a maratona de desfiles que começou às 21h de domingo e só terminou por volta das 6h desta terça-feira, Unidos da Tijuca e Portela aparecem como grandes favoritas ao título do Grupo Especial. Grande Rio, Salgueiro e Beija-Flor, que foram as melhores da primeira noite, devem completar o desfile das Campeãs ao lado da Imperatriz ou União da Ilha. Na outra ponta da tabela, Vila Isabel, Império da Tijuca e São Clemente vão lutar contra o rebaixamento. A apuração será realizada na Praça da Apoteose, na tarde desta quarta-feira.

Mocidade empolga com 'Pernambucópolis'

Homenageando a cultura de Pernambuco e o lendário carnavalesco Fernando Pinto, a Mocidade abriu a segunda-feira em grande estilo. Colorida e com enredo extremamente bem desenvolvido, a escola passou pela Sapucaí disposta a recuperar o prestígio perdido nos últimos anos. O trabalho do carnavalesco Paulo chamou a atenção pelo uso variado de cores e leitura clara do tema proposto.

Mocidade empolgou com belo desfileCarlos Moraes / Agência O Dia

De volta à escola, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Rogerinho e Lucinha Nobre mostrou, mais uma vez, total entrosamento e talento não só para os jurados, mas também para o público. A felicidade era nítida no semblante da dupla e contagiou. A comissão de frente, concebida por Sérgio Lobato, teve apenas um mês para ensaiar e não impactou. Com um tripé mal acabado, foi o ponto negativo.

Já a bateria fez uma exibição apoteótica e arrebatou com diversas paradinhas, com direito até a batida de frevo. O grande protagonista da noite foi mesmo o componente da escola, que evoluiu "brincando" e cantando o samba a plenos pulmões.

Impactante, Ilha acerta no enredo

Com enredo sobre o universo dos brinquedos, a União da Ilha brilhou com alegorias criativas e de fácil leitura. A comissão de frente, comandada por Jaime Arôxa, foi um dos grandes destaques, sendo ovacionada pelas arquibancadas.

A bateria de mestre Thiago Diogo também teve uma atuação segura, recheada de bossas e paradinhas. O trabalho do carnavalesco Alex de Souza proporcionou um belíssimo espetáculo visual e merece aplausos. No carro de som, Ito Melodia esbanjou vigor e embalou os componentes. O canto da escola, no entanto, poderia ser um pouco melhor.

Ilha levou o universo dos brinquedos e encantouFoto%3A André Luiz Mello / Agência O Dia

Vila comete erros grosseiros e decepciona

Atual campeã, a Vila foi a terceira a desfilar e entrou na Avenida com a difícil missão de superar os problemas ocorridos no pré-Carnaval. Confirmando as expectativas ruins, a escola fez uma apresentação marcada por imperdoáveis erros no quesito fantasia. Na primeira ala, pelo menos 20 componentes desfilaram sem chapéu, o que já anunciava o caos. Nas alas seguintes, muitos figurinos também estavam incompletos e outros pecaram pelas falhas de acabamento. O mesmo panorama foi notado em muitas fantasias de composições de carros.

Diferentemente do enredo de 2013 que emocionou, o tema deste ano teve sua compreensão prejudicada pelos muitos problemas já citados. O samba-enredo foi cantado com garra pelos componentes e garantiu, ao menos, um bom desempenho em harmonia. A bateria da Vila também fez sua parte e empolgou o público. A penalização nos quesitos fantasias, alegorias e conjunto deverá ser grande, o que pode jogar a Vila para as últimas colocações.

Muitos componentes da Vila desfilaram com fantasias incompletas e sem chapéuAndré Luiz Mello / Agência O Dia

Imperatriz erra em evolução

Dona do enredo mais popular de 2014, a Imperatriz fez uma apresentação à altura da trajetória de seu homenageado. Com alegorias luxuosas e bem executadas, a escola de Ramos encantou com o tributo a Zico. Embalada pelo bom samba-enredo, fez seu melhor desfile dos últimos anos e tinha tudo para sair da Avenida com a mão no título.

A Imperatriz, no entanto, deve perder décimos preciosos em evolução devido a problemas no deslocamento do abre-alas e da última alegoria. O carro que trazia Zico teve dificuldades para entrar e um clarão de pelo menos 40 metros se abriu na pista, erro que certamente será penalizado pelo julgador da primeira cabine. O buraco fez a julgadora de evolução botar as mãos na cabeça.

Zico ganhou bela homenagem da ImperatrizCarlos Moraes / Agência O Dia

Ajudada pela força do tema, a escola produziu um belíssimo espetáculo e evidenciou o amadurecimento artístico do carnavalesco Cahe Rodrigues. Com uma proposta original e criativa, ele conseguiu transmitir com clareza e alegria o enredo. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Phelipe e Rafaela foi responsável por outro grande momento da noite. 

O samba contribuiu para o bom desfile e empolgou bastante. Sem vencer desde 2001, a Imperatriz mostrou que a escolha de Zico como enredo foi um golaço. No entanto, os erros em evolução podem adiar a conquista do título.

Portela encanta e vai brigar pelo título

A Portela levou para a Avenida um enredo sobre as transformações na Zona Portuária e a importância da Avenida Rio Branco. Aguardado com bastante expectativa, o desfile foi marcado pela empolgação e garra dos componentes. Após anos sofrendo com problemas em fantasias e alegorias, a Portela reencontrou a força de sua tradição com uma exibição praticamente sem erros. No fim, foi saudada com gritos de "É campeã" das arquibancadas.

>>> GALERIA: Confira o desfile da Portela através de imagens

Portela recuperou sua força e arrebatou a SapucaíFoto%3A Carlos Moraes / Agência O Dia

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Diogo e Danielle Nascimento mostrou segurança. Completando 30 anos de profissão, o carnavalesco Alexandre Louzada conseguiu passar o enredo com luxo e clareza, apesar de pequenas falhas de acabamento em carros. Porém, nada disso prejudicou o belo espetáculo.

A bateria de mestre Nilo Sérgio repetiu o habitual show e levantou as arquibancadas. Feliz com retorno da Águia aos seus melhores dias, o componente também fez sua parte e cantou o samba-enredo com alegria e vibração. Sem vencer sozinha desde 1970, a Portela voltou com tudo e vai brigar pelas primeiras colocações.

Original e criativa, Tijuca dá show

A Unidos da Tijuca encerrou o segundo dia de desfiles de forma impecável e empolgante. Com enredo sobre o universo da velocidade que homenageava Ayrton Senna, a escola fez uma exibição marcada pela originalidade e criatividade das fantasias e alegorias. O talento do carnavalesco Paulo Barros fez a diferença, e a Tijuca brigará novamente pelo título.

>>> GALERIA: Veja o show da Unidos da Tijuca na Sapucaí

Julinho e Rute deram show com a Unidos da TijucaErnesto Carriço / Agência O Dia

A comissão de frente dos coreógrafos Rodrigo Negri e Priscilla Mota arrebatou a Avenida ao juntar personagens de desenhos animados com Ayrton Senna e trouxe até um carro de Fórmula 1, criando uma excelente comunicação com o público.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira Julinho e Rute estreou em grande estilo. Com um bailado perfeito, a dupla encantou os jurados. A bateria de Casagrande foi outro ponto alto. Merece destaque também a atuação do intérprete Tinga, que debutou na agremiação com todo gás e profissionalismo. Três vezes campeã do Carnaval, a Tijuca fez um belo tributo a Ayrton Senna e é uma das favoritas ao título de 2014.

Últimas de Carnaval