Por thiago.antunes

Rio - Salve a criatividade e a irreverência carioca! O Carnaval de Rua deu um show. Bateu um bolão. Nunca se viu tanta gente fantasiada pela cidade, de cá para lá, na simples intenção de encontrar alguma batucada. Aqui esteve gente de todos os lugares.

Mas o que mais chamou a atenção foi a presença, por todos os cantos, de uma juventude vibrante. A cena mudou e foi pra valer. Desembarcou no Carnaval uma nova geração, com seus blocos de amigos, grupos fantasiados, e um mundo de ritmos, num cardápio difícil de escolher. São novos tempos, de uma alegre anarquia multicultural!

Farmácia popular

Teve de tudo nas ruas do Rio, mas chamou a atenção a criatividade da turminha fantasiada de Farmácia Popular.

Teve de tudo nas ruas do Rio%2C mas chamou a atenção a criatividade da turminha fantasiada de Farmácia PopularPublius Vergilius / Ginga Fotos

Amor e Paixão viraram remédios tarja preta, recomendados sob prescrição médica, por causarem dependência. Já Sacanagem e Desapego foram distribuídos gratuitamente para todos.

O Pela Saco escolheu um enredo inusitadoDivulgação

Cadeia para machão

O Pela Saco — bloco dos moradores do Morro Santa Marta, que sai no sábado, às 17h, em Botafogo — escolheu um enredo inusitado: ‘PA – Pensão Alimentícia – Ladrão de Mamadeira’. Uma crítica “a essa gente sem responsabilidade que tem um monte de filho e abandona por aí”, diz o fundador Tião Belo. A ideia foi de um morador, o Juarez, preso por não pagar a pensão à ex-mulher. A camiseta do bloco traz o Juarez.

Palco aberto

Toda segunda tem encontro de malabares na Praça São Salvador, em Laranjeiras, a partir das 19h. Momento de troca e aprendizado para quem já está ou quer se enveredar por esta arte circense. E uma vez por mês acontece o Palco Aberto, espaço para artistas de diferentes linguagens. O próximo é dia 10, às 20h.

Beija, beija

No Me Beija Que Eu Sou Cineasta a ordem é clara: beijar! E as meninas se vestiram de bombom e penduraram plaquinha no pescoço para atrair os que gostam de um beijinho doce, bem doce... Salve o Carnaval!

Explosão de cores e sons

Foi uma explosão de sons e de cores. O bloco Desce Mas Não Sobe, da Gloria, trouxe seus músicos no chão, sem trio elétrico, com um repertório que ia das tradicionais marchinhas ao som de Steve Wonder, Abba, Djavan e Sidney Magal.

Explosão de cores e sons no Desce Mas Não SobePublius Vergilius / Ginga Fotos

Mas o delírio veio mesmo com a chuva de pós coloridos ao estilo do festival indiano de Holi. Fabricados especialmente para o bloco, os pós – lançados ao som da música Eva – pintaram de todas as cores os foliões.

Confetes

Sábado, dia 8, tem Mulheres de Chico nas areias do Leme, a partir das 16h. O bloco das meninas que fazem homenagem a Chico Buarque traz repertório completo do cantor, que é objeto de desejo de 10 entre 10 mulheres brasileiras.

Conjunto Habitacional Barangal, com suas cores verde e laranja, desfila em Ipanema no domingo, saindo do Posto 9, em frente à Barraca do Joel, a partir das 11h, com sua irreverente caixa de som ambulante. O bloco dispensa trio elétrico e qualquer tipo de organização.

Alegria do Méier desfila na sexta, a partir de 20h. Concentração na Galdino Pimentel, esquina com Dias da Cruz.

Para encerrar a maratona carnavalesca, tem Monobloco, com seus mais de 200 ritmistas na Avenida Rio Branco, a partir de 8h, domingo pós-Carnaval.

A festa carnavalesca segue na Penha e seus arredores. No sábado, tem Banda Devassa mais uma vez, a partir das 15h, na Rua Patagônia, concentração do bloco. E em seguida, a Banda da Penha, no Largo da Rua do Couto, a partir das 18h.

Ganhou o enrendo paulistano de Paulo Barros, tirando o título do mais carioca e bonito deste ano, o do Salgueiro. Não que Senna não merecesse a homenagem. Tampouco que a escola fizesse feio na Avenida. Mas o Salgueiro merecia o título! De todo jeito, a Tijuca está em festa.

A colunista é Rita Fernandes

Você pode gostar