Por helio.almeida

Sou dos que acham que boa parte do caráter da pessoa se define até os 7 anos de idade. O que vem depois importa pouco. Nessa onda, acho ainda que os medos fundamentais adquiridos na infância nunca abandonam o sujeito. Explico.

Passei boa parte da infância me esbaldando no Jardim Nova Era, em Nova Iguaçu, onde minha avó tinha um terreiro que batia para orixás e encantados. Cresci tomando esporros e recebendo conselhos de caboclos e pretos velhos. Certo dia um caboclo — com cocar de metro e meio de altura adquirido no Mercadão de Madureira — perguntou-me do que é que eu tinha medo. Eu andava tendo pesadelos e minha avó achou que a entidade poderia resolver isso. Respondi na lata: "Tenho medo do Mão Branca. Sonho que ele vai me pegar".

O caboclo me benzeu com arruda e guiné, baforou o charuto na minha cara e resolveu meus pesadelos. O temor em relação ao personagem, todavia, não me abandonou. O Mão Branca ocupou para mim o papel que o Bicho-Papão desempenhou para outras crianças.

Mão Branca era o verdugo da Baixada Fluminense. Jurava bandidos de morte, desovava corpos e deixava bilhetes com listas de vítimas. Eu tremia só de pensar na possibilidade de cruzar com o valentão. Perto da Rua Castor, onde ficava a casa da minha avó, havia uma esquina sugestivamente conhecida como a “esquina do pecado”. O que pintava de presunto na área não era mole. Coisa do Mão Branca, é claro. Passei um tempo sem coragem de ficar na rua soltando pipa até tarde, com temor de encontrar o cabra cortando alguém em pedacinhos.

Soube, tempos depois, que o Mão Branca era uma invenção de um repórter da ‘Última Hora’, que pretendia criar quizumba para pressionar as autoridades a atuar contra a criminalidade. O problema é que o personagem acabou indo além das intenções do autor, virou uma espécie de herói justiceiro da Baixada Fluminense e serviu de fachada para a atuação do esquadrão da morte. Havia mesmo quem desse ao sujeito o status de vingador do povo desamparado.

Os tempos hoje são outros. Os grandes Wilson Moreira e Nei Lopes, em um samba chamado ‘Sapopemba e Maxambomba’, louvaram a Baixada Fluminense, contaram as histórias da sua gente, recordaram seus personagens — como Tenório Cavalcanti e o pai de santo Joãozinho da Goméia — e avisaram aos que ainda acreditam nos justiceiros de plantão que o esquadrão fechou a tampa. Ainda bem.

De minha parte, continuo sendo aquele moleque do Jardim Nova Era. Poucas coisas me apavoram mais que os justiceiros de plantão. Deles, como do Mão Branca, quero distância.

Você pode gostar