Enquete vai escolher por voto popular o melhor samba-enredo do Grupo Especial

Votação ficará aberta até o dia 16 de fevereiro

Por O Dia

Rio - Para esquentar os tamborins, O DIA lança nesta terça-feira uma enquete para escolher o melhor samba-enredo deste Carnaval do Grupo Especial. Até o dia 16 de fevereiro, a votação ficará aberta no site e o vencedor será escolhido por voto popular no dia da apuração, na Quarta-feira de Cinzas.

Clique para votar no melhor samba-enredo do Grupo Especial

A disputa promete ser quente. Vencedor do samba deste ano, Noca da Portela já tem argumento certo para eleger o hino da Azul e Branco como campeão. “Nosso refrão já está na boca do povo. A frase ‘sou carioca, sou de Madureira’ está tão famosa que virou até bordão”, brincou Noca. Seu rival, Zé Katimba, compositor da Imperatriz, acredita que a força de seu samba vai falar mais alto.“O samba tem Mandela e Mandela é amor. Na quadra, o ritmo não cai. O samba é forte e a melodia é belíssima”, defendeu Katimba.

Novato como titular de samba na Mocidade, Ricardo Mendonça, garante que o público vai ouvir tudo o que o enredo mostrará. “Criamos um samba bem povão mesmo, e tudo que será cantado, o público verá na Avenida. O Paulo (Barros, carnavalesco) disse que é a primeira vez que um samba retrata tão bem um enredo dele”, comemorou Ricardo.

Compositores da Grande Rio%3A ‘Eu vou na ginga%2C jeito malandreado/Vem cá%2C menina%2C começou o carteado’Divulgação

Na Unidos da Tijuca, campeã de 2014, a aposta é no samba corrido. “A comunidade gostou muito. Os sambas mudaram muito de uns tempos para cá. O nosso é mais batido, com menos cadência e o refrão é superfácil”, declarou um dos compositores vitoriosos deste ano, Josemar Manfredini.

Entre os especialistas, Portela , São Clemente e Beija-Flor são favoritas a ganhar o título. “O samba da Portela é dolente e tem uma pegada que é para conquistar. Todos os ingredientes estão ali e acredito que, depois do Carnaval, vai virar até hit”, opinou o escritor e jornalista Fábio Fabato. O historiador e comentarista de Carnaval Luiz Antônio Simas defende o hino da Beija-Flor.

“É um samba sério, não é oba oba. O da São Clemente é aquele que você canta feliz”, contou Simas. Já a Viradouro, divide opiniões. “Pode ser uma grande revelação. Unir duas letras de Luiz Carlos da Vila vira, sem dúvidas, um grande samba”, comentou Simas. “Prefiro sambas inéditos. Acho que a Viradouro nem merecia concorrer a melhor samba”, concluiu Fabato.

- Refrões

Beija-Flor

“Sou negro na raça, no sangue/E na cor/Um guerreiro Beija-Flor/Oh, minha deusa soberana!/Resgata sua alma africana”.

Grande Rio

“Eu vou na ginga, jeito malandreado/Vem cá, menina, começou o carteado/Se você veio ver, então vamos jogar/Chegou Grande Rio, pode apostar!”

Imperatriz 

“Mandela/Num ritual de liberdade/Lá vem a Imperatriz, eu vou com ela/Eu sou Madiba, sou a voz da igualdade”.

Mangueira

“Eu vou cantar a vida inteira/Pra sempre Mangueira, tem que respeitar!/Eu vou cantar a vida inteira mulher brasileira em primeiro lugar”.

Mocidade

Invade, se joga na felicidade/Fazendo a vontade do seu coração/ Hoje é dia, vem se acabar/Deixa a Mocidade te levar!”

Portela

“Sou carioca, sou de Madureira/A Tabajara levanta poeira/Pra essa festa maneira meu bem me chamou/Lá vem Portela malandro, o samba chegou”.

Salgueiro

“Prepara a mesa, bota a fé no coração/Numa só voz, vai meu samba em louvação/É o meu Salgueiro com gosto de quero mais/Oh, Minas Gerais!”

São Clemente

“Vem que a festa é da gente/Meu orgulho São Clemente/Ao gênio maior da Avenida/Canta Zona Sul, feliz da vida”.

União da Ilha

“A Ilha chegou, a festa começou/O show é da comunidade/Sem desmerecer ninguém, sou a mais linda/Encantando a cidade”.

Unidos da Tijuca

“Deixa o dia clarear Tijuca/Tá na hora a gente vai à luta/O relógio disparou, alô gente bamba/Vai pro Borel o prêmio Nobel do samba”

Vila Isabel

“É de arrepiar/Comunidade unida a cantar/Renasce num sonho lindo/A Vila de novo sorrindo/E a música vem brindar”.

Viradouro

“Em cada palma de mão, cada palmo de chão/Semente de felicidade/ O fim de toda a opressão, o cantar com emoção/ Raiou a liberdade”.

Últimas de Carnaval