Por bianca.lobianco

Rio - Olhem bem para esse menino de 12 anos que, à primeira vista, mais parece uma cópia mirim do meio-campo William, do Chelsea e da seleção brasileira. Guilherme Kauã Nunes de Lima colocou na cabeça que será um dos grandes puxadores de escola do Rio. A primeira chance no Grupo Especial virá neste Carnaval, como um dos apoios de voz do intérprete oficial da Unidos do Viradouro, Zé Paulo Sierra.

“Dá um friozinho na barriga, mas sei que estou preparado pra isso. O Zé Paulo me deu essa chance e não vou decepcionar”, disse o menino, com a eloquência de alguém com mais idade.

Um dos puxadores da Unidos do Viradouro tem apenas 12 anos e sonhos de gente grandeAcervo Pessoal

E, num rápido bate-papo, percebe-se logo que o menino não caiu de paraquedas nesse mundo do ziriguidum. “Cheguei no carnaval, fazendo parte da ala mirim da Acadêmicos do Cubango, onde participei de uma oficina em que aprendi a tocar violino. Antes do carnaval de 2014, veio a chance na Viradouro e acabei sendo campeão”, disse Guilherme, referindo-se ao título conquistado na Série A, ano passado.

A veia musical de Guilherme, porém, vai além das hostes carnavalescas, como bem revela a sua mãe, Gisele Nunes. “O primeiro presente que ele ganhou foi um cavaquinho de plástico. Ali começou tudo. Hoje, lá em casa, tem instrumento de tudo que é tipo. Com oito anos, ele foi matriculado na Escola de Música Villa Lobos. Tem como ele fugir da música?”, brincou.

Guilherme falou por que fez tanta questão de se matricular, em tão tenra idade, numa escola de música. “Quero aprender a verdadeira linguagem universal, a partitura. Ler música é igual aqui, nos Estados Unidos, na China... É a base pra um sonho que tenho, que é ser maestro”, revelou.

Sobre o carnaval da Viradouro, Guilherme admite ser de extrema responsabilidade ir para Avenida defendendo um samba construído a partir de duas obras de Luiz Carlos da Vila. “Ele foi um dos grandes compositores do samba. Sou apenas um garoto, mas sei da importância do seu trabalho. Por isso, participar desse desfile vai ser uma grande honra. Não só por isso, mas também por ser com a Viradouro e por ser a minha primeira oportunidade no Grupo Especial”, concluiu.

Reportagem de Fred Soares

Você pode gostar