Lafond 'revive' na Sapucaí

Concurso elege neste domingo sósia de ator, que será homenageado pela Imperatriz

Por O Dia

Rio - Para escolher um sósia à altura do ator Jorge Lafond, que morreu em 2003, a Imperatriz Leopoldinense fará neste domingo um concurso em sua quadra. Três candidatos estão no páreo. A decisão será tomada por uma bancada de jurados composta pelas atrizes Isabel Fillardis, Cris Vianna e Pathy de Jesus, além do apresentador Ernani Alves, o ator Edi Nunes e o cantor Elymar Santos. O saudoso intérprete da personagem Vera Verão será o grande destaque de uma alegoria no enredo que fala sobre os negros.

Luciano (E) Diogo e Beto caracterizados de Vera Verão%2C personagem que Jorge Lafond popularizou na TVFernando Souza / Agência O Dia

Na briga para ser Lafond está um amigo do ator, o artista Roberto Guarany, de 50 anos. Em 1992, eles fizeram juntos o humorístico ‘A praça é nossa’. “Será uma homenagem a meu amigo. Aprendi com ele que não devemos ter medo. Ele era de arregaçar as mangas e fazer as coisas, e eu sou assim também”, contou Roberto, que promete repetir o mesmo trejeito de Lafond, quando encarnava Vera Verão. “Ele tinha aquele olhar de vedete”, completou Roberto.

Um dos adversários dele será o comissário de bordo Diogo Lírio, 32, que interpretará Lafond pela primeira vez. “Sempre quis que a escola o homenageasse”, disse Diogo, que afirma ser parecido com Jorge. “Falam que sou uma mistura de Lafond com Emílio Santiago”, concluiu.

O último no páreo é o cabeleireiro Luciano Estrella, 21. Apesar da insegurança de interpretar o ator pela primeira vez, ele aposta no carão para conquistar os jurados. “Será a minha marca”, comemora. O concurso será realizado hoje, na quadra da escola, às 21h.

Bailarino que ficou nu em desfile da Beija-Flor morreu no auge, aos 50 anos

Vera Verão reinou por todas as estações. O personagem de Jorge Lafond, bailarino formado pelo Theatro Municipal, em ‘A Praça É Nossa’ era tão popular que ficou no ar por dez anos e o eternizou na memória do público que compareceu aos milhares a seu enterro, no Rio, em 2003, aos 50 anos.

Jorge Luiz Souza Lima, filho de uma telefonista e um bombeiro, que se descobriu gay ainda criança, era figura fácil no Carnaval. Foi rainha de bateria da Unidos de São Lucas, de São Paulo, e sua aparição de Adão na Beija-Flor fez história. A fantasia, uma folha de parreira, caiu no meio do desfile. Nada que ele não tirasse de letra.

Lafond rodeado de fãs%3A ataque cardíaco matou ator em 2003Carlos Moraes / Agência O Dia


Últimas de Carnaval