‘Carandiru’ de Perlingeiro, locutor do Sambódromo, é nota dez na Sapucaí

Profissional passa o Carnaval inteiro dentro de contêiner

Por O Dia

Rio - Um dos personagens mais divertidos do Carnaval, o locutor do Sambódromo, Jorge Perlingeiro, abriu sua casa para uma entrevista ao DIA às vésperas da folia. Na verdade, como ele mesmo diz, para chegar a ser casa tem que melhorar muito.

“É o meu Carandiru. Mas é dez! Nota dez”, brinca o criador do bordão, dentro do contêiner transformado em dormitório onde há 16 anos ele se interna durante o Carnaval. O motivo? Um acidente de carro que quase lhe custou a vida.

“Estava voltando para casa, exausto após um dia de desfile, e dormi ao volante, em São Conrado. Só acordei quando o carro parou na mureta. Sorte que estava devagar, senão teria morrido”, relembrou Perlingeiro.

Perlingeiro recebe da funcionária da Liesa Ana Paula a chave de sua “casa”%2C um contêiner onde há 16 anos ele se interna durante o CarnavalBruno de Lima / Agência O Dia

Figura querida no Sambódromo, o locutor recebeu as chaves do “poleiro nota 10” na última terça. Enquanto coordenava a chegada da mobília, fazia a turma ao redor morrer de rir.

"Sou vaidoso, gosto de cuidar de casa. Só não sou viado porque tenho medo de gostar da coisa”, disse, com sua voz de trovão, arrancando gargalhadas de todos, como o ajudante que colocava o espelho no banheiro.

“Ô, meu parceiro. É sério que você vai deixar o espelho em cima da pia? Levanta esse troço aí, rapaz. Eu sou o Perlingeiro, olha o meu tamanho. Não sou o Nelson Ned. Com o espelho aí embaixo eu não consigo fazer a barba, só depilar o umbigo”, pediu, enquanto o rapaz se contorcia de tanto rir.

A rotina na Sapucaí com Perlingeiro é divertida. Todos os dias ele atravessa o Sambódromo pelos fundos, por dentro da Favela da Laura, para tomar café com pão na chapa na padaria da Rua Salvador de Sá.

“É uma festa. Vou de bermuda e chinelo, fica todo mundo me pedindo ingresso... Me divirto. Adoro isso aqui”, conta o mestre de cerimônias. Mais popular, impossível.

Mulherengo e fanfarrão, o locutor com voz de trovão não foge de pergunta, a não ser quando o tema são as fãs que querem frequentar o “poleiro do Perlingeiro”.

“Tem nada disso, não, compadre. Quer me arrumar problema em casa? Já fui flor do campo. Agora sou tiririca do brejo”, disfarça.

Cafofo já recebeu a visita do Rei Roberto Carlos

Em 16 anos “morando” na Sapucaí, o momento especial foi a visita de ninguém menos que Roberto Carlos. Em 2011, o Rei foi incógnito à Avenida para ver de perto a festa.

No ano seguinte, foi homenageado pela Beija-Flor, que acabou campeã com o enredo ‘A Simplicidade de um Rei’. “Ele disse que foi uma das maiores emoções da vida dele, o que não deve ser pouca coisa, já que ele tem emoções toda hora (risos). Eu sei que da minha, foi”.

Convidado para algumas escolas para ser enredo, o torcedor da Vila Isabel recusou todas: “Seria uma honra, mas ia ter que tirar dinheiro do bolso. Não vou deixar a escola entrar na Avenida cheia de trapo me homenageando. Teria que vir bonita como eu (risos). Aí, sai caro”.

Bom malandro e bom de aposta, Perlingeiro bancou a vitória da Unidos da Tijuca em 2014, mas este ano tirou o pé da dividida: “Vai ser um dos melhores desfiles dos últimos anos. Tem umas seis na briga”.

Últimas de Carnaval