Por gabriela.mattos
Rio - A crise chegou ao Carnaval no interior do estado, mas não estragou a festa. Pelo menos 732 blocos e escolas de samba desfilam nas principais cidades, muitas delas cheias de turistas. Segundo dados da Secretaria de Estado de Turismo, mais de 2,3 milhões de visitantes passarão pelo interior durante o Carnaval. Só em Cabo Frio são esperadas 900 mil.
Em Maricá, Preta Gil e Beth Carvalho animarão a folia. Em Búzios, cerca de 10 blocos devem animar os turistas e moradores. A prefeitura espera receber 60 mil pessoas. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH-RJ), a cidade já registra 100% da ocupação. Além dos blocos, o turista pode aproveitar as mais de 23 praias da cidade.
Publicidade
Em Cabo Frio, não haverá recursos públicos, mas a iniciativa privada bancará o Carnaval da maior cidade da Região dos Lagos. Quatro dos maiores blocos da cidade (Oficial, Das Damas, Oh Sorte! e Quero Mais) se uniram para garantir a montagem da Arena dos Blocos. Serão 52 blocos e três trios elétricos para puxar a multidão pela orla da Praia do Forte.
A expectativa do setor hoteleiro, no entanto, não é muito boa. Segundo Carlos Cunha, presidente da Associação de Hotéis de Cabo Frio, o setor precisou manter os preços do ano anterior, mesmo com a alta da inflação. “Não alteramos os valores do ano passado. Esse é um Carnaval atípico, onde as pessoas estão deixando para fazer as reservas em cima da hora, então esperamos receber reservas ainda”.
Publicidade
Já em Angra dos Reis, a crise obrigou a prefeitura a cancelar o desfiles das escolas de samba. Esse ano serão gastos apenas R$ 300 mil, destinados aos blocos. O dinheiro economizado com a folia será destinado para a financiar a rede de saúde do município. Em Mangaratiba, o tradicional Carnamar (desfile de blocos em embarcações) foi mantido.