Por adriano.araujo, adriano.araujo
Rio - Há poucos minutos do início da apuração do desfiles do grupo Especial do Carnaval do Rio, o clima é de confiança em Nilópolis. A quadra da Beija-Flor ainda está vazia, mas as pessoas começam a chegar no local. Acreditando no trabalho feito por seus componentes na Avenida, o mestre de bateria Rodney Ferreira inspira confiança. 

"A escola cantou o samba de forma tão intensa que sobressaiu o carro de som. Encontramos o andamento e a batida perfeita de acordo com o enredo. Achamos o tempo certo entre surdo e caixa", disse, acreditando que o quesito será nota 10. "Temos instrumentos com mais de 50 anos. Panela velha é que faz comida boa. Não há possibilidade de perder pontos na bateria", sentenciou.

Rainha da Beija-Flor%2C Raissa, a frente da bateria, que este ano contou com violinosAlexandre Brum / Agência O Dia

Mestre Rodney está desde 2010 na escola e comandou a bateria, que veio com 280 componentes. Às 16h45 começa a apuração dos desfiles das escolas de samba do grupo Especial.