Feijoada das escolas de samba agora é a balde

Chef conhecido como o 'Rei da Feijoada' lança versão para levar que será vendida nas quadras

Por O Dia

Rio- Uma novidade que promete deixar o Carnaval deste ano ainda mais saboroso: vem aí a Feijoada Carioca em baldes. A ideia, inédita no Rio, já aprovada em testes, é do chef Thiago Castro, 34 anos, conhecido como o Rei da Feijoada, e preferido das escolas de samba, famosos e jogadores de futebol. Segundo Thiago, a iniciativa, que vinha sendo “cozinhada em fogo brando” desde o ano passado, surgiu para expandir o consumo do prato, rompendo as fronteiras das quadras das agremiações, onde é servida o ano inteiro, e é um dos esteios de sustentação econômica das escolas.

Chef Thiago Castro apresenta%2C na quadra da Vila Isabel%2C pela primeira vez%2C as versões de embalagens em que a Feijoada Carioca será servida%3A planos internacionais à vistaMaíra Coelho / Agência O Dia

“Temos um público fiel, que muitas vezes vai às quadras para consumir a feijoada e voltar para casa. Por outro lado, há os que comparecem aos ensaios e outras atividades, mas nem sempre querem curtir o samba de estômago cheio. Em ambos os casos, a partir deste Carnaval, os amantes da feijoada terão a oportunidade de levar o produto para suas residências”, ressalta Thiago.

Ele adianta que, em parceria com grandes empresas em seus seguimentos, como Perdigão e Feijão Máximo, serão comercializados os seguintes tipos de embalagens: de 450 ml (individual, batizada de Intérprete, que custará em torno de R$ 30); de 900 ml (a Mestre Sala e Porta Bandeira, para duas pessoas, por R$ 55); de 1,8 litro (Harmonia, para até cinco pessoas, R$ 90); de 3,6 litros (Comissão de Frente, que servirá dez pessoas, R$ 159) e de 10 litros (Bateria, para até 30 pessoas, R$ 249,90).

De acordo com Thiago, todas essas versões podem ser nos modelos intitulados Rei Momo, que é a feijoada tradicional completa, com direito a orelha, pé, rabo, paio, joelho, calabresa, costelinha, bacon, pernil e outros pertences; Velha Guarda, com teores de gorduras, sal e temperos mais equilibrados; e Rainha de Bateria, mais light, com ingredientes menos gordurosos.

“Todas as opções são acompanhadas de arroz, farofa, couve, laranja e torresmo”, destaca Thiago.

Planos também de exportação da feijoada em latas

Inicialmente, a expectativa é que pelo menos duas toneladas de feijoada em baldes sejam vendidas por mês nas escolas de samba. Os locais serão divulgados na página www.elitebuffet.com.br, empresa de Thiago, distribuidora do produto. Mas, no melhor estilo ‘bota água no feijão’, um dos pratos preferidos dos brasileiros deverá chegar também em latas de alumínio aos supermercados de todo o país e até do exterior. Também há a intenção da opção de entrega a domicílio.

“A Feijoada Carioca, sempre presente em eventos internacionais no Rio, como ocorreu com sucesso nas Olimpíadas, tem um público cativo em diversos partes do mundo”, justifica Thiago, que levou sua experiência para a França, onde fez pós graduação em gastronomia pela Universidade de Lyon. “Mostro sempre lá fora como a cultura carioca do samba, do Carnaval, dos escravos, da religião, se funde com a gastronomia das escolas de samba, das favelas. Simples, mais apreciada em todo o planeta”.