'É o Carnaval da superação', diz Déo Pessoa, presidente da Lierj

Começa nesta segunda-feira a venda de ingressos para o desfile da Série A

Por O Dia

Déo Pessoa%2C presidente da LierjDivulgação

Rio - Curtiar a mais popular do planeta no Sambódromo é mais acessível do que você pensa. Começa hoje a venda de ingressos para o desfile da Série A.

A entrada para o espetáculo, que acontece na sexta e sábado de Carnaval (dias 24 e 25), custa R$ 15 e somente o setor 9 custa R$ 50. Quem conta um pouco da magia do antigo Grupo de Acesso é Déo Pessoa, presidente da Lierj, a liga que apoia as 14 escolas componentes.

Comandando o quinto Carnaval do grupo, ele garante que as dificuldades por que as agremiações passam não prejudicam o esplendor dos desfiles.

O DIA: Qual a importância da Série A para o Carnaval carioca?

Déo: O nosso Carnaval é o que tem a maior participação de comunidades, não só da cidade, como da Região Metropolitana. Temos escolas, por exemplo, de Santa Cruz, lá do extremo da Zona Oeste. É o Carnaval para o povo, popular, para as pessoas que gostam de samba, que participam do dia a dia das escolas.

E o público, sempre presente?

É o nosso quinto ano. Todos os outros sempre tivemos excesso de público como fator positivo. Já estamos com todas as frisas do sábado vendidas, faltam apenas algumas para a sexta. A TV que transmite o nosso desfile sempre dá um retorno comunicando a boa audiência. São centenas de milhares de pessoas nos dois dias de espetáculo.

Vocês não têm recursos ao nível do Grupo Especial. Como lidar com isso?

É muito trabalho, é muita superação porque não temos um alto investimento. O deles (Grupo Especial) é o dobro do nosso. Diante das dificuldades que a gente enfrenta, o nosso Carnaval não deixa a desejar. Ainda assim, as escolas estão preparando grandes espetáculos, as pessoas que vierem assistir irão se surpreender bastante.

Que tipo de dificuldades, por exemplo, vocês enfrentam?

Não temos uma infraestrutura como a do Grupo Especial, que tem a Cidade do Samba. As escolas não têm barracão, as escolas não estão perto do Sambódromo. Umas ficam no Caju, Manguinhos... mais distantes. Nos espaços que as escolas têm para montar o projeto de Carnaval há problemas de saúde, pessoas adoecem, além da falta de serviços básicos como iluminação. Montar o Carnaval na Série A é sem dúvida um desafio. É o Carnaval da superação, do amor, da felicidade. Os responsáveis por prepararem a festa são verdadeiros heróis em razão da precariedade que enfrentam. Mesmo diante das adversidades, o que é apresentado na Avenida é algo de extrema grandeza por conta da criatividade das escolas.

Como é a relação da Lierj com a prefeitura?

O poder público é o nosso principal parceiro, mas precisamos, de fato, de mais investimentos, porque o Carnaval não é só nosso, é de todos os cariocas. Há seis anos tivemos a promessa da construção da Cidade do Samba 2. Mas a gestão passada acabou e não ganhamos o espaço. Agora a gente espera algo da nova gestão (de Marcelo Crivella).

E de onde vem a força para continuar o trabalho?

Força há porque o Carnaval da Série A tem um compromisso com o sambista, com o folião, além das escolas em maior grau, que desfilam focadas em passar alegria ao público. A nossa festa, com esse preço de ingresso, é para toda a família que assiste um espetáculo tão grandioso quanto uma partida de futebol, que custa bem mais.

Como será o esquema de venda de ingressos para as escolas da Série A?

As entradas serão vendidas na central de vendas, atrás do setor do 11 do Sambódromo (Rua Salvador de Sá), no Estácio, ao preço de R$ 15. Apenas para o setor 9 é que o ingresso sai a R$ 50. O horário de funcionamento da bilheteria é das 10 h às 16h até sexta-feira, primeiro dia dos desfiles, e termina sábado. Mais informações no site lierj.com.br