Presidente da Liesa comenta decisão polêmica: 'Vendo a situação, votamos'

Paraíso do Tuiuti, que ficou com a última colocação, não será rebaixada. Em 2018, duas escolas vão cair para o Grupo de Acesso

Por O Dia

Rio - O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira, comentou sobre a polêmica decisão da liga de não decidir rebaixar nenhuma escola este ano. Com a medida, o Paraíso do Tuituti continua no Grupo Especial e, em 2018, duas escolas vão cair para o Grupo de Acesso. "Nós só mexemos no regulamento em último caso e eu fui contrário mas, vendo a situação das escolas, ouvindo todas as partes, votamos a matéria e ela foi vencedora", disse.

Castanheira disse que decisão de manter escolas no Grupo Especial foi difícil, mas melhor para o CarnavalJoão Laet / Agência O Dia

Castanheira frisou que nenhuma escola foi negligente no desfile. "Houve problemas técnicos, conjugados com a situação do motorista. Não podemos nos antecipar à perícia, por isso tomamos essa decisão de recuar e fazer algo melhor para o Carnaval do próximo ano". Perguntando sobre a consultoria que o Inmetro ofereceu no ano passado à Liesa, o dirigente disse não ter sido consultado. "Se quiserem falar conosco, serão muito bem-vindos, mas se procuraram alguém antes, não fui eu".

Sobre mudanças para o ano que vem, ele foi enfático "Não precisamos mudar nada urgentemente. Temos que buscar uma sintonia fina junto aos órgãos. Agradeço a todos os órgãos que trabalharam com a gente nesse ano. Pra mim, houve justiça esse ano. Tivemos que dar um passo atrás para melhorar no ano que vem. Acidentes acontecem e precisamos analisar cada caso", explicou.