Por tabata.uchoa

Rio - Antes mesmo de ser fotografada para a capa especial de Réveillon da ‘Já É! Domingo’, no Sheraton Rio Hotel & Resort, no Leblon, Fernanda Machado já havia decidido as cores que vai usar para assistir à queima de fogos em Copacabana, ao lado do noivo, o americano Robert Riskin. Assim como fez em 2012, a atriz vestirá branco e dourado. É que a combinação deu muita sorte à intérprete da vilã Leila, de ‘Amor à Vida’, ao longo deste ano.

Fernanda Machado vai usar branco e dourado na virada do anoSérgio Baia

“Tons mais claros evocam energias positivas, né? Só não uso preto. Em 2011, passei a virada nos Estados Unidos com o Bob. Como fazia muito frio, várias pessoas estavam de casaco de lã preto. Claro que eu me recusei, né?”, lembra a moça, de 33 anos. “E você sabe que os anos ímpares são sempre muito bons para mim? Passei a perceber isso. Dois mil e treze não fugiu à regra. Em relação ao trabalho, foi incrível. Estava há dois anos sem fazer TV, até que pintou a Leila, que é minha primeira vilã ‘profissa’. As outras eram meio amadoras, sofriam crise de consciência. E, na vida pessoal, nunca estive tão bem, tão calma e tão apaixonada”, comemora.

Apesar de 2014 ser um ano par, Fernanda está animada com suas cerimônias de casamento. Sim, ela subirá ao altar duas vezes, em fevereiro, assim que a novela acabar. A primeira, para seus familiares, no Brasil, e a segunda, nos Estados Unidos, onde moram os parentes de Robert. “Será algo pequeno. Nunca fui fã de casamento enorme, não combina comigo. Quando vou a cerimônias assim, grandiosas, fico com a impressão de estar trabalhando. Vou celebrar com energia positiva da família, não quero a sensação de estar num evento, entende?”.

Ela garante não estar esquentando a cabeça com o modelito. “Deve ser um vestido branco normal. Vou transformá-lo num vestido de noiva. Não vamos ensaiar nada, não haverá regras. Só o que não pode faltar é amor, todo o resto é supérfluo”, simplifica Fernanda.

Atriz garante que as cores lhe trouxeram sorte em 2013Sérgio Baia

Filhos fazem parte dos planos do casal. “Sempre sonhei ser mãe, desde pequena. Eu cuidava dos meu amigos pequenos, tinha esse lado maternal”, conta. Ela lembra ter sido aconselhada a engravidar por seu médico. “Muitas mulheres que tiveram endometriose têm problemas para engravidar. Como nunca tentei, não sei se eu teria. Meu médico diz que a gravidez pode ser o melhor remédio para a doença não voltar. Mas não sei ainda, vamos ver”, diz, pensativa.

“Eu queria ter dois de uma vez. É um sonho. Vamos ver, né? Por enquanto, temos a companhia da nossa cachorrinha, a Califórnia”, continua. Em relação à doença, Fernanda está com os dedos cruzados, pensando de maneira positiva. “Estou torcendo para que ela não volte. É óbvio que há um certo medinho. Conheço mulheres que já operaram três, quatro vezes. Mas vai dar tudo certo”, acredita.

Além de sua atuação como a malvada e ambiciosa Leila, deu o que falar em 2013 a suposta negociação de Fernanda com a revista Playboy. “Na verdade, não existiu negociação. Já tinham me convidado antes, houve uma conversa legal e eu quis ouvir. Mas, como o ensaio era só para o ano que vem, para uma data especial da revista, resolvi parar ali. Fiquei com medo de assinar algo e desistir pouco antes de fazer as fotos”, esclarece, assumindo que o interesse da publicação em sua figura fez muito bem para o ego, sim.

O que também deixa a atriz feliz da vida são os elogios à sua atuação em ‘Amor à Vida’. “No início, achei que fosse sofrer bullying. Mas as pessoas falam com muito carinho. Dizem: ‘Estou amando odiar você’ ou ‘Você faz tão bem, mas tão bem, que dá vontade de te dar um soco’”, diverte-se ela, que torce para que a megera pague por suas maldades ao longo da trama de Walcyr Carrasco. “Saiu na mídia que ela morreria queimada. Mas acho muito pouco, rápido demais. Ela tinha que ir pagando lentamente, enquanto a ficha dela iria caindo em relação às m... que fez. Na verdade, o pior castigo para ela seria o trabalho. Imagina colocar a Leila para trabalhar 18 horas por dia?”, sugere.

Você pode gostar