Por daniela.lima

Rio - Aos 48 anos recém-completados, Alexandre Borges está tinindo. Em plena forma, o ator, que ainda ostenta o título de galã, não teme o avanço da idade e acredita que vive um momento especial na vida e na profissão. Além de estar no ar como o advogado Tomaz, de ‘Além do Horizonte’, ele dublou pela primeira vez um filme infantil, emprestando sua voz ao cãozinho Peabody, o protagonista da animação ‘As Aventuras de Peabody e Sherman’, que estreia amanhã nos cinemas, e ainda será um dos comentaristas do especial ‘Tapete Vermelho do Oscar’, que a Globo exibe na próxima segunda-feira, às 15h35. 

Alexandre Borges dublando o filme ‘As Aventuras de Peabody e Sherman’Divulgação


“Após tanto tempo, ainda busco o que me dá satisfação, cada vez mais procuro fazer o melhor e aproveitar o momento para ampliar as possibilidades como ator. Tenho disposição e alegria de fazer, enfrentar as dificuldades e erros, lidar com as pessoas. É uma jornada longa, mas estou muito feliz com o que consegui fazer”, diz.

A paixão pela profissão é uma das receitas de Alexandre Borges para se manter jovem. Mas o ator também não se descuida do corpo e da mente. “Tenho essa preocupação de cuidar de mim, ficar atento à alimentação e malhar. Mas nem sempre posso malhar por causa do ritmo das gravações. Às vezes, tenho que correr atrás do prejuízo”, confessa. “Adoro trabalhar, falar com as pessoas na rua. Meu humor melhora muito e faz bem para a autoestima”, completa.

Ver o crescimento do filho, Miguel, de 13 anos, fruto do seu casamento com a atriz Julia Lemmertz, é outro estímulo para enfrentar a idade. “Sempre fui um pai participativo. Isso me rejuvenesce, é muito bom. Acompanhar toda essa fase, desde criança, me deu muito gás. Agora, tenho a expectativa de vê-lo adulto. Por isso, quero estar inteiro para a minha família.”

Alexandre quis fazer uma homenagem aos dubladores, ao filho e aos pais de primeira viagem quando aceitou dublar o cãozinho Peabody — um cientista que inventa uma máquina do tempo e passeia por vários eventos históricos com o filho adotivo, o menino Sherman.

“Sou fã dos dubladores brasileiros. Levei muito meu filho para assistir a filmes dublados. É um trabalho de grande responsabilidade. De certo modo, é o primeiro contato da criança com o cinema”, diz.

A primeira vez do ator emprestando sua voz a um personagem de desenho foi um desafio e tanto. Mas ele afirma que não precisou alterar a voz, como por exemplo, deixá-la mais infantil. “É uma coisa técnica, diferentemente de fazer uma cena, quando a gente deixa a emoção fluir. Tive muito cuidado para falar em sincronismo com a boca do Peabody mexendo, usar o tom certo. Algumas frases do inglês para português ficam maiores e aí temos que aumentar o ritmo. Eu fazia e refazia, tentava algo diferente. O volume de texto é muito grande e tem que sair de forma natural e com humor. É o tom da minha voz, mas muito rápido. Tive alguns toques da direção. Fiquei satisfeito com o resultado”, conta. 

CRÍTICAS À NOVELA

Após o sucesso com o mulherengo Cadinho, de ‘Avenida Brasil’, Alexandre não se abate com as críticas à trama confusa de ‘Além do Horizonte’, que sofreu ajustes por causa da baixa audiência. “É uma novela trabalhosa, exige sacrifícios, tem muita cena de ação. Eu mesmo já subi em helicóptero umas seis ou sete vezes. Acho natural que tenha ajustes. Nada está ganho. A gente tem que correr atrás. Mas ainda estamos remando com fôlego, temos mais dois meses no ar, e acho que vamos entregar um trabalho digno”, diz.

Ele também defende seu personagem, Tomaz, que está apaixonado por Heloísa (Flávia Alessandra) e tenta conquistá-la de todas as formas. “É um personagem mais realista. Para mim, é revigorante quando tenho a possibilidade de fazer um tipo diferente. Hoje, as pessoas estão torcendo pelo romance de Tomaz com a Heloísa”, garante.

Casado com Julia Lemmertz há 20 anos, o ator está orgulhoso com o desempenho da mulher, que vive a Helena, de ‘Em Família’. “Ela está maravilhosa, sincera, totalmente entregue ao personagem. Recebo muitos elogios para ela. Temos um programa em família, que é assistir à novela, eu, ela e nosso filho, durante o jantar”, conta.

Você pode gostar