Por karilayn.areias

Rio - "A música é muito difícil". Foi assim que Alex Marrom Bombom — nome adotado para a retomada de sua carreira — ex-vocalista e tecladista do grupo "Os Morenos", grande sucesso dos anos 90, começou o bate-papo sobre a volta ao meio da música e vida pessoal. Em entrevista ao O DIA, atualmente, o dono da voz que embalou sucessos como "Mina de Fé", "Teu Charme" e "Marrom Bombom", revela coisas que você nunca imaginou sobre ele.

Alex Marrom Bombom fala sobre a retomada da carreira, as dificuldades do meio musical e vida pessoal Divulgação

Tijucano (nome dado a quem é nascido e criado na Tijuca, bairro localizado na Zona Norte do Rio) como denomina-se, Alex iniciou no meio musical aos 10 anos. "Minha mãe me colocou para fazer aulas de piano clássico já que minhas irmãs também faziam. Fiz aulas desse instrumento dos 10 aos 13", contou ele com um sorriso no rosto, relembrando os tempos de outrora.

Alex acabou abandonando o piano por causa da zoação dos amigos. Mas, independente disso, o interesse pela música se manteve. Aos 15 anos, ele começou a tocar músicas de artistas como Legião Urbana com amigos do Colégio Pedro II, unidade da Tijuca.

Gosto pelo samba e auge do 'Os Morenos'

Depois do contato com a música clássica, o interesse pelo samba surgiu espontaneamente. Alex começou a procurar bandas para tocar. Em suas andanças, conheceu diversas personalidades como Paulinho Mocidade, Neguinho da Beija-Flor, entre outros, e foi fazendo seu nome.

A fama veio com o grupo "Os Morenos". Além de tecladista, Alex dividia o vocal com Waguinho. Juntos, eles interpretaram grandes sucessos que repercutiram na "boca da galera".

Mas, mesmo com a fama, Alex passou por momentos conturbados. O primeiro foi a morte de seu pai em 1996, no auge do grupo. "A morte do meu pai foi um baque. Eu amadureci muito com esse fato. Virei o homem da casa", contou.

Em um segundo momento, foi a saída de Waguinho, em 2001, que deixou a vida profissional complicada. "A saída do Waguinho foi bombástica", revelou. "Mesmo depois dele ter deixado o grupo nós fomos respaldados pela gravadora. Nunca paramos, mas é evidente que não estávamos mais na grande mídia tanto quanto antes. Por isso, admiro o Silvo Santos, pois o programa do Silvio foi o único que fizemos sem ele (Waguinho), em um determinado momento", disse.

Mesmo sem destaque por um tempo, segundo Alex, o grupo continuou na estrada. "Independente da saída dele a gente trabalhava bastante. Continuávamos nos apresentando pelo Brasil."

Difícil decisão

A rotina cansativa dos shows acabou fazendo com que ele optasse por uma decisão difícil: sair do grupo. "Deixei 'Os Morenos' no final de 2008 porque queria alçar novos vôos". Ao sair do grupo, ele começou a investir mais tempo em seu táxi, bem que ele adquiriu em 1999, por causa do conselho de um tio.

Capas dos CDs do grupo 'Os Morenos'Reprodução Internet

"Na época em que o grupo estava fazendo sucesso, um tio me disse que deveria investir o dinheiro que ganhava em algo concreto, já que o meio musical é muito difícil. Foi aí que comprei um táxi. Quando sai do grupo, foi justamente no táxi que investi meu tempo. Isso me permitiu ter flexibilidade, algo que não tinha na época que fazia parte da banda", disse.

Outro motivo que contou na hora de optar em deixar o grupo foi o apego à família. "Também queria ficar mais tempo com os meus filhos e dar um suporte maior para minha família. A verdade é que eu não estava feliz", disse.

Pai de Pedro Alexandre, de 13 anos, e João Marcelo, 8 anos, o músico se derrete ao falar dos filhos. "Minha relação com meus filhos é ótima. Sou pai separado e meus filhos não moram comigo, mas sempre que possível estamos juntos."

Questionado se os filhos gostam de música, ele afirmou que o mais velho curte. Mas, logo frisa: "Eu não dou esse foco para eles. Acredito que eles devam estudar."

Várias profissões

Além de taxista e músico, Alex é formado em Jornalismo, porém nunca exerceu a profissão. "Cursei Jornalismo por aprimoramento cultural. Na época, além de cantar também estava trabalhando com publicidade, produzindo jingles. Quando decidi que queria ter o nível superior, pensei primeiramente em publicidade, porém por causa dos horários das aulas acabei optando por Jornalismo", contou. Curioso, Alex já morou no Japão, entre os anos de 1993 e 1994, antes da fama. 

Alex Marrom Bombom, ex-vocalista e tecladista do grupo 'Os Morenos', está retomando a carreiraDivulgação

Retomada da carreira

Seis anos após ter saído de cena,  Alex resolveu retomar a carreira com o auxílio da Jiló Produções. Mais maduro, ele que nunca deixou de cantar, aposta em hits como "Inquérito Formado (Babou)" (veja o vídeo abaixo) e "De Facebook Eu Tô Legal" para alavancar a vida profissional e voltar ao sucesso.

Sobre a volta, ele é sucinto: "A vida é a vida e a gente tem que trabalhar. O que não pode é faltar! Creio que vai dar certo", afirmou. 





Você pode gostar