Por leandro.eiro

Rio - Uma história de amor. É assim que Ricardo Tozzi resume o envolvimento de Thales, seu personagem em ‘Amor à Vida’, com duas mulheres. No primeiro momento, o jornalista e escritor pobretão será convencido pela namorada, a ambiciosa Leila (Fernanda Machado), a seduzir e conquistar a órfã milionária Nicole (Marina Ruy Barbosa), para botarem a mão na fortuna dela. Só que, depois, o golpe do baú não sairá como o planejado pelo casal.

Leila (Fernanda Machado) vai obrigar seu namorado Thales a seduzir e conquistar a órfã milionáriaDivulgação


“Ele vai dar esse golpe achando que está fazendo um bem para a garota. Como a namorada só pensa em dinheiro, faz o que ela pede por insegurança. Mas tudo será em nome do amor”, diz o ator, que acrescenta: “Ele pode ter um caráter dúbio, sim. Isso é um mistério. Ninguém sabe qual é a dele. Para mim, isso é muito legal”.

Para ajudar a namorada a se dar bem, Thales vai se casar com Nicole. Mas uma reviravolta na trama vai aproximar os pombinhos: a riquinha sem família vai descobrir que tem uma doença incurável. Depois disso, o escritor malsucedido vai dar todo apoio a ela e se apaixonar de verdade, enquanto os planos de Leila vão por água abaixo. Contudo, o ator prefere fazer suspense sobre o desenrolar da história.

“Thales é um ser humano bem normal, não é vilão, um desgraçado. Mas é um cara que começa a observar as oportunidades que antes não tinha, a coisa do deslumbre. Ele é seduzido pela possibilidade de ficar rico”, defende Tozzi. “Não dá para dizer se a conduta dele vai ser baseada numa boa ou má intenção, ou uma mistura de tudo isso. A trajetória do personagem está aberta”, despista.

O ator aposta que o triângulo amoroso vai mexer com o público. “Estou muito feliz de pegar uma história de drama, porque nada me estimula mais do que o ser humano, as emoções e as fraquezas. Acho que isso é o suficiente para as pessoas se envolverem. Todo mundo é carente, inseguro, fica de saco cheio, tem medo das coisas. Mostrar isso na TV é uma forma de todo mundo se reconhecer, se interessar”, teoriza.

Depois de viver o machão Douglas em ‘Insensato Coração’ e os gêmeos Fabian e Inácio em ‘Cheias de Charme’, Ricardo dá graças a Deus por não viver um personagem ‘certinho’. “Não fiquei numa zona de conforto. Acho que consegui escapar do papel do mocinho chato, comum. Espero nunca fazer esse papel”, diz.

Você pode gostar