Por leandro.eiro
São Paulo - Onze anos se passaram, mas o canguru perneta parece não ter enferrujado. Na pele de Caco Antibes e Magda, Miguel Falabella e Marisa Orth vão revivê-lo em grande estilo nos quatro episódios inéditos de ‘Sai de Baixo’, em comemoração aos três anos do canal a cabo Viva. A dupla voltou a se reunir com Luiz Gustavo, Aracy Balabanian e Marcia Cabrita para as gravações, que começaram ontem à noite, formando novamente fila no entorno do Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo. Os episódios serão exibidos no canal a cabo a partir do dia 11, às 20h30, sempre às terças-feiras.
Na pele de Caco Antibes e Magda%2C Miguel Falabella e Marisa Orth vão revivê-lo em grande estilo nos quatro episódios inéditos de ‘Sai de Baixo’Divulgação


Na plateia, convidados como Junior (irmão de Sandy), Dani Calabresa, Roberta Miranda e Carla Vilhena foram prestigiar a gravação do programa, que chegou a dar picos de 50 pontos no ibope das noites de domingo da Globo e está entre as cinco atrações mais vistas do Viva desde a sua estreia, em maio de 2010.

No reencontro, os atores aproveitaram para lembrar histórias de bastidores do ‘Sai de Baixo’. Falabella falou da dificuldade que Luiz Gustavo, o Vavá, tinha para decorar os textos, e que, por isso, fazia ‘cola’ na mão. “Um dia, resolvi sacanear. Entrei em cena, peguei a mão dele e comecei a esfregar. Ele ficou desesperado”, contou Falabella, às gargalhadas.
Publicidade
“A gente ainda nem decorou o texto dos novos episódios. Não sei o que vai acontecer”, exagerou Luiz Gustavo. “São quatro episódios de duas horas cada um. Mas não fico mais de 20 minutos em pé (devido a um problema no joelho). Vou precisar de uma equipe médica”, brincou.
Aracy Balabanian, a Cassandra, confessou que chegou a pedir a Daniel Filho, diretor do humorístico na época, para sair do programa. Tudo porque ela não conseguia controlar as risadas. “Tinha o riso frouxo. Eu disse ao Daniel que não sabia fazer aquilo (comédia). Mas aí ele falou para eu rir em cena mesmo”, contou a atriz.
Publicidade
Preocupado com o tipo de público que assistiria às gravações, Falabella contou que mandava a plateia tomar no c. quando não sentia receptividade às piadas, mas não sabe se agora vai poder repetir os xingamentos. “Ah, vou mandar tomar no c., não quero nem saber. Não vai ter só patrocinador, né? Vai ter público?”, perguntou o ator à direção do canal. “Temos quatro patrocinadores muito fortes. Acho que vai ter uma plateia de nariz empinado”, previu Luiz Gustavo, lembrando que o programa sempre foi muito popular e que as filas para o teatro davam voltas no quarteirão. 
Atrasada para a coletiva, Marisa Orth recordou que sua personagem, a Magda, era apenas fútil e consumista no início, mas acabou se transformando em sinônimo de mulher burra. “Depois, ela virou uma ameba, né? Terminou bebendo água da privada”, brincou a atriz. O bordão “Cala a boca, Magda!”, repetido por Caco, continua nos novos episódios. “Os bordões não eram pensados, foram acontecendo”, esclareceu Falabella.
Publicidade
Em tratamento de um câncer no ovário — ela faz quimioterapia até agosto —, Marcia Cabrita ficou feliz com o convite para reviver a empregada Neide Aparecida, mas não escondeu que fica incomodada quando é comparada a Claudia Jimenez, que viveu uma doméstica no primeiro ano do humorístico. “A Edileuza é um inferno em minha vida. Eu fiquei mais tempo no ‘Sai de Baixo’. Foram quatro anos!”, destacou.
Por sinal, do antigo elenco, duas ausências foram sentidas: Claudia Jimenez e Tom Cavalcante, o Ribamar. Falabella negou que tivesse brigado com Tom. “Inventaram isso. Por mim, ele estaria aqui. Acho que houve outros impedimentos. Com relação à Claudia, ela não quis fazer. Foi uma opção dela”, explicou.
Publicidade