Por tabata.uchoa
Messi na versão caricatura na ‘Central da Copa’Alexandre Brum / Agência O Dia

Rio - Enquanto Messi desfila seu talento nos gramados da Copa do Mundo no Brasil, uma versão do jogador argentino está causando na TV. Trata-se do boneco inspirado no craque, que virou sensação nas edições noturnas da ‘Central da Copa’, na Globo, interagindo com os apresentadores Tiago Leifert e Alex Escobar e com o público. Criado pelo cartunista Ique, o boneco é manipulado por controle remoto e usa uma técnica de animação chamada animatronic, semelhante à utilizada nos filmes de Hollywood.

“Nunca foi feito nada parecido no Brasil”, afirma Ique, que aliou caricatura, escultura e até pintura no projeto. “Sempre quis ver um desenho meu ganhando vida. O desafio era levar isso para a TV. É uma nova linguagem.”

Pesando aproximadamente quatro quilos, o boneco tem pele feita de látex vulcanizado. O ator Zé Clayton é quem ‘veste’ a caricatura de Messi. Os movimentos dos olhos, boca e nariz ficam por conta de dois controladores. Nizo Neto faz a voz. E ainda cabe a Ique fazer a direção-geral da manipulação enquanto o personagem estiver no ar.

PROCESSO DE CRIAÇÃO

O boneco levou dois meses e meio para ficar pronto. E deu tanto trabalho à equipe do cartunista quanto Messi dá para seus marcadores em campo. Primeiro, Ique fez uma miniatura do craque para mostrar à direção da emissora e à equipe o que pretendia. Com o projeto aprovado, partiu para o segundo passo: um protótipo para estudar a parte mecânica.

“Fiz uma escultura e um molde da cabeça do ator, para ficar com as medidas dele. Em seguida, entrei com a caricatura, com os detalhes da boca, nariz, olhos, expressões”, conta.

Com a forma da cabeça pronta, foi só revestir com a pele e pintar. “Foi uma trabalheira, porque uma ação estava interligada a outra, e apenas eu conhecia todas as etapas”, diz o cartunista.

Quando está no palco como Messi, Zé Clayton só consegue enxergar pela boca do boneco — quando está aberta! O tempo todo o ator é guiado pela direção através de um ponto eletrônico.

“Sabia que seria um trabalho com graça, não com humor, em cima do desenho do Ique. Estou adorando fazer”, festeja Zé, que fazia a Priscila e outros personagens caninos do programa ‘TV Colosso’. “Tenho 30 anos de experiência com bonecos. Estou acostumado. Tenho a noção exata de onde estou, por menor que seja o espaço para caminhar. Mas eu uso ponto eletrônico, que também me orienta tanto para a questão do espaço como da voz. Para mim, não é difícil.”

EM PORTUNHOL

O Messi de borracha não tem texto. Fala tudo de improviso. Acostumado a fazer dublagens para o cinema há 20 anos, o ator Nizo Neto conta que optou por não imitar e dar um leve sotaque à voz do craque. “Não mudei a voz, não, até porque o Messi não fala”, diz ele, aos risos. “Pesquisei sobre ele e não encontrei referência nenhuma, só uma entrevista em que ele fala meio baixinho. Então, resolvemos deixar uma coisa meio portunhol, porque a imagem do boneco já é muito forte. A voz é mais um complemento.”

Quando a Copa acabar, Ique pretende visitar os estúdios de Los Angeles e fazer cursos sobre a técnica de animatronic. E quem sabe o cartunista e roteirista, que criou a abertura do ‘Zorra Total’ e de outros programas da Globo, não traz na bagagem ideias para novos bonecos? “Essa renovação é necessária à TV”, diz.

Você pode gostar