Por bianca.lobianco

Rio - A paulista Hellen Caroline, 27 anos, gatíssima, é tida como “a princesa do pagode”. E tem seu primeiro CD, ‘O Sonho Aconteceu’, produzido por Rodriguinho. Mas usa camiseta dos Ramones em várias fotos da capa do disco. Ué, uma pagodeira fã de punk? “Meu personal stylist que escolheu as roupas!”, diz, rindo. “Mas conheço Ramones e gosto de rock. Só não é o que eu mais escuto, nem sou uma pessoa que ouve de tudo. E por que o pagodeiro não pode vestir camisa de banda de rock?”, indaga.

‘Chegaram a sugerir que eu gravasse sertanejo’%2C conta Hellen CarolineDivulgação

Ela tem razão. Mas mesmo sendo fã de bandas como Pearl Jam, foi o pagode o que marcou a vida de Hellen, nascida em Ubatuba e criada em Taubaté, no litoral paulista. “Eu cantava desde a adolescência e adorava ouvir Só Pra Contrariar no rádio. Ficávamos eu e minhas irmãs cantando o dia inteiro, éramos todas pagodeiras!”, recorda. “O Belo, o Péricles, o Chrigor e o Thiaguinho (os três últimos, ex-Exaltasamba) me inspiraram, porque eles têm voz suave”. Mas após passar por duas atrações musicais — ‘Ídolos’, da Record, em 2011, e o quadro ‘Mulheres Que Brilham’, do ‘Programa Raul Gil’, em 2013 — surgiram propostas para ela mudar de estilo. “Queriam que eu gravasse sertanejo”, conta.

No disco, têm músicas bem “de menininha” feitas só por Hellen, como ‘Príncipe Encantado’ e ‘Que Medinho’. Os homens pagodeiros curtem essas canções, Hellen? “O Rodriguinho ama essa música! Os pagodeiros têm malandragem, mas são românticos”, conta.

Ela hoje está solteira após o término de um namoro de quatro anos. Cuida de uma sobrinha de 7 anos, que cria como se fosse filha. “Minha irmã teve depressão pós-parto e síndrome do pânico e não pôde cuidar dela”, diz. E, fora isso, prefere focar na carreira. “Se você faz o que ama, até a TPM dá uma minimizada”, brinca.

Você pode gostar