'O problema nesse país é o sexo', diz Miguel Falabella sobre série de TV

Autor de 'O Sexo e as Negas' comenta acusações de machismo e racismo

Por O Dia

Rio - "Sexo e As Negas" estreia nesta terça-feira e antes mesmo de ir ao ar já causou muita polêmica. O diretor da série, Miguel Falabella e as atrizes protagonistas, Karin Hils, Corina Sabbas, Maria Bia e Lilian Valeska, participaram do programa "Encontro" para falar das acusações de machismo e racismo que receberam por causa da atração.

Falabella posa com as protagonistas de 'Sexo e As Negas'AgNews

Miguel explicou a origem de "Sexo e As Negas". "Queria fazer uma brincadeira em cima de “Sex and the City” (série americana). Pensei em fazer sobre loiras, mas sou suburbano e estou acostumado com a periferia". E se defendeu dizendo que quer fazer "uma homenagem às mulheres negras" e que "através dessas mulheres batalhadoras" vai tratar de temas importantes, como mobilidade urbana.

Falabella também rebateu as críticas que diziam que a série é machista e racista. "Eu achei que todo mundo entenderia que é uma paródia de 'Sex and the City'. Já existem vários programas maravilhosos, com elenco negro, como 'Antônia', 'Ó Pai Ó'... O problema não é a comunidade, infelizmente o problema nesse País ainda é o sexo. Todas (as personagens) trabalham, ninguém é puta", disparou, e pelo palavrão acabou deixando Fátima Bernardes sem jeito.

Maria Bia também defendeu a novidade que a série traz para a TV. "Quem já viu uma negra com esse cabelo? E ruivo ainda na televisão? Não tem!". Lilian Valeska também passou um recado. "O Miguel se espelhou nas mulheres que ele ama. É uma coisa de amor".

Para "encerrar o assunto", Miguel Falabella definiu: "Em nenhum momento estou dizendo que não existem médicas negras, temos o exemplo de Joaquim Barbosa... Foi uma escolha minha (ter protagonistas negras). Não é uma série de humor, é de amor", finalizou.

Últimas de Televisão