Por karilayn.areias

Rio - "Geração Brasil" chega ao fim nesta sexta-feira. Escrita por Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, apesar das reviravoltas, de ter a tecnologia, o mundo virtual, como tema, a novela não decolou. E, da mesma maneira, o elenco principal, formado por Murilo Benício, Claudia Abreu, Taís Araújo, Lázaro Ramos e Ricardo Tozzi, não segurou a onda. Já os coadjuvantes...

Murilo Benício e Taís Araújo não convenceram como protagonistas de 'Geração Brasil'Divulgação

O que faltou de química entre Jonas Marra (Murilo Benício) e Verônica (Taís Araújo), sobrou com Davi (Humberto Carrão) e Manu (Chandelly Braz). Definitivamente dois dos melhores atores da geração atual, o casal deu um show em suas idas e vindas durante a trama. Foram convincentes, carismáticos e ganharam o público com facilidade.

Sorry, Lázaro Ramos, mas seu caricato Brian Benson ficou à sombra de Dorothy, brilhantemente interpretada por Luís Miranda. Uma personagem ousada e difícil, que também poderia ter se tornado uma caricatura. Mas o talento falou mais alto e a diva, estilosa e elegante foi um dos pontos altos da novela. Tanto que ela ganhou uma websérie no site Gshow, da Globo, em que deu dicas de comportamento e etiqueta. Sem falar no fato de que a personagem era um transgênero e o assunto foi tratado de forma natural. Aliás, merece destaque também André Gonçalves, e seu Cidão, que formou par romântico com Dorothy. O casal perfeito.

Mocinha ou vilã? Tanto faz. Isabelle Drummond deitou e rolou com a impetuosa Megan. A atriz, que já vinha de uma performance incrível em "Sangue Bom", apenas reafirmou seu talento e sua força. Mais uma do time de Carrão e Chandelly.

Desta vez foi difícil para Cláudia Abreu, que interpretou Pâmela, encontrar um par com quem pudesse se dar bem. É Inegável o talento da atriz, mas para quem foi Chayene em "Cheias de Charme", Pâmela deixou a desejar. A redenção chegou nas últimas semanas, quando, enfim, se envolveu com o fã apaixonado Ernesto, vivido por Felipe Abib. Química perfeita, cenas divertidas graças ao talento e frescor do ator.

E que maravilha ver Renata Sorrah como Gláucia! Personagem leve, divertida e que mostrou uma face da atriz que estávamos desacostumados a ver. Sem dúvida alguma, Heleninha Roitmann e Nazaré Tedesco são seus personagens que mais amamos e dos quais nunca esqueceremos. Mas para a atriz, deve ter sido uma experiência gratificante deixar de ser a vilã ou a problemática da trama. Tanto que deu vida a Gláucia com muita leveza e diversão.

Reportagem Daniel Marcusso

Você pode gostar