Por felipe.martins

Rio - Para tentar reduzir os impactos provocados pela queda na arrecadação dos royalties do petróleo, os prefeitos que compõem a Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro) querem poder antecipar essa receita com empréstimo da União. Pedem também a mudança do marco regulatório do pré-sal, possibilitando a atuação de outras companhias, além da Petrobras.

Em reunião nesta quarta-feira, em Rio das Ostras, a entidade elaborou uma carta pedindo a extensão dos benefícios da resolução 002/2015 do Senado, que garantiu empréstimo de R$ 1 bilhão do governo federal ao Estado do Rio, por meio do Banco do Brasil.

Prefeito de Macaé%2C Dr. Aluízio (ao centro) presidiu reunião da OmpetroDivulgação

Segundo o prefeito de Macaé e presidente da Ompetro, Dr. Aluízio (PMDB), a carta também será entregue hoje à presidente Dilma Rousseff pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ).

“A resolução já garante essa possibilidade (de empréstimo) para cobrir o déficit na arrecadação dos royalties. O senador estará com a presidente para que ela possa entender nossa proposta. Queremos também uma agenda com a presidente”, disse o prefeito, que após a reunião viajou para o Rio para falar com o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), mas não houve o encontro.

O prefeito de Macaé alertou para as consequências da crise na região, apontando o aumento do desemprego como a pior delas. Para a Ompetro, a alteração no marco regulatório e a entrada de novas companhias no pré-sal também minimizaria os efeitos da crise. “Com novas empresas operando, consequentemente seriam oferecidos novos empregos para a população”, completou Dr. Aluízio. 

Você pode gostar