O WhatsApp baniu você? Há salvação

Essa punição tem ocorrido com outros dos 100 milhões de brasileiros que usam o aplicativo

Por O Dia

Rio - O fã número 2 desta coluna foi sumariamente banido do WhatsApp dia desses — e sem motivo aparente, porque não violou qualquer um dos chamados “Termos do serviço”. A empresa diz que vai suspender seu número se você 1) enviar propaganda ou qualquer forma de promoção comercial; 2) enviar mensagens indesejadas ou conteúdo (em forma de status, fotos de perfil ou mensagens) com material ilegal, obsceno, ameaçador, assediante, odioso, de ofensa racial ou étnica, ou outro tipo de material inapropriado; 3) for irritante com outros usuários (critério deveras subjetivo...) etc.

O WhatsApp baniu você%3F Há salvaçãoReprodução

Nosso amigo chegou a procurar ajuda na internet, mas não deu em nada. Uma pena. E essa punição tem ocorrido com outros dos 100 milhões de brasileiros que usam o WhatsApp. Mas para quase tudo na vida há salvação. Neste caso, o amigo resolveu seu problema comprando um chip pré-pago, desses de dez real. Instalou-o no seu smartphone, cadastrou-se com essa nova linha no Whatsapp e pronto.

Agora ele tem dois números, sendo que um deles é exclusivo do WhatsApp. E nem precisa manter o novo chip instalado no seu aparelho. É a melhor solução? Talvez não, porque tem o trabalho de comunicar a situação aos seus contatos, resgatar amigos etc. Mas, enquanto o Whatsapp não resolve readimiti-lo, ao menos ele não fica isolado do mundo.

Motoristas fãs do Uber chiam

Sou muito fã do Uber, que substitui o serviço comum de táxi. Mas está rolando um conflito entre os motoristas do aplicativo. A questão é que os usuários preferem a opção mais barata, o UberX, que oferece o transporte em carros mais modestos que os do UberBlack — que só tem carrão bacana.

No fim das contas, no entanto, a qualidade se mantém, e isso está pesando para os motoristas que investiram em modelos de luxo, como exigido pela Uber quando ela se instalou por aqui. À época, não se sabia que a empresa abriria espaço para veículos mais baratos. Há motoristas do UberBlack com dificuldades para pagar suas prestações. Já se fala até em greve.

As belas mensagens

Você talvez não conheça o Tinder, aplicativo que facilita a busca por encontros amorosos. É um baita sucesso. Pois sua empresa-mãe, a Match, acaba de criar o “Divina palavra”, app bem diferente, que compartilha mensagens bíblicas e com conteúdo alto astral sobre família, saúde, amor, trabalho... Os evangélicos são o público-alvo da empresa.

Meditar é um bom negócio

Muita gente quer criar um app que mude sua vida. Eis, então, o exemplo do ex-monge budista Andy Puddicombe. Ele criou o “Headspace”, que inicia os usuários na arte da meditação. Deu certo. Já são mais de seis milhões de usuários pagando entre US$ 8 e US$ 13 por mês, além de US$ 30 milhões em investimentos.

Bola dentro

Estou longe de ser um defensor total do comportamento ético dos empresários americanos. Mas alguns hábitos deles são bem interessantes. Exemplo: o Paul Allen, que é um dos fundadores da Microsoft, acaba de doar US$ 100 milhões para centros de pesquisa de ciências. Tomara que nossos homens ricos adquiram o hábito das doações para entidades sérias, em vez de ficar apenas estocando montanhas de dinheiro que nunca vão conseguir gastar.

Bola fora

A Microsoft lançou semana passada o Tay, programa que “aprende” a se relacionar e a conversar com os humanos via Twitter. Quanto maior a interação entre o Tay e os usuários, maior a sua “cultura”. Foi fruto de um investimento brilhante em inteligência artificial e tecnologia. No entanto, em menos de 24 horas de atividade do software, os humanos que interagiram com o Tay conseguiram “ensiná-lo” a dar respostas racistas, xenófobas, misóginas etc. A tecnologia evolui. A humanidade, não.

Em busca da casa própria?

O Mercado Livre está promovendo a Quinzena do Imóvel até o próximo domingo. Em todo o Brasil, são oito mil ofertas, incluindo casas, apartamentos e terrenos, comerciais ou não. No Rio, são 830 unidades. Confira em www.mercadolivre.com.br. Boa sorte.

Últimas de Economia