Barbosa alerta para risco de repactuação de dívida dos estados

A mudança causará um prejuízo de R$ 313 bilhões no caixa do governo

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A equipe econômica do governo federal alertou nesta quarta-feira para o risco de colapso das contas públicas se os estados conseguirem na Justiça repactuar suas dívidas com a União com a adoção do cálculo de juros simples em vez de juros compostos, que reduz significativamente os valores devidos.

Segundo o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, a mudança causará um prejuízo de R$ 313 bilhões no caixa do governo. O fim dos capitalizados, juros sobre juros que são somados ao saldo devedor, diminui a dívida dos estados com a União em até 200% e representa um alívio para os que estão enfrentando crise financeira, como é o caso do Rio de Janeiro, que não tem recursos para pagar toda a sua folha salarial.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já concedeu liminares em favor da repactuação da dívida dos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e, ontem, a Minas Gerais também, que poderá reduzir suas dívidas, respectivamente, em 935 e 75%. Alagoas já entrou com ação e o governo do Rio de Janeiro deve fazer o mesmo.

Nelson Barbosa esteve ontem com o ministro do STF Edson Fachin, relator das ações, que vai mediar a negociação entre estados e União em uma reunião na próxima terça-feira.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia