Deputados boicotam sessão na Alerj pelo segundo dia

Só cinco permaneceram para votação nesta quinta-feira e não houve quórum. Maioria faz pressão para Mesa Diretora colocar em pauta decreto que impede atrasos salariais de aposentados

Por gustavo.ribeiro

Rio - Deputados da oposição e da base aliada ao governo na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) se articularam, mais uma vez, para obstruir a pauta de votação que estava prevista para esta quinta-feira (14). Foi o segundo dia consecutivo que não houve sessão por falta de quórum. A ausência dos parlamentares é uma manobra para pressionar a Mesa Diretora da Casa a colocar em votação o projeto de decreto legislativo protocolado ontem por 47 dos 70 deputados estaduais com o objetivo de impedir que o governo do estado atrase em um mês os salários de aposentados e pensionistas que recebem mais de R$ 2 mil líquidos.

Dos cinco deputados que ficaram no plenário para a sessão desta quinta-feira, estão Edson Albertassi (PMDB), Dionísio Lins (PP), Rosenverg Reis (PMDB) e Wagner Montes (PRB). Marcelo Freixo (Psol), que sugeriu o decreto legislativo, também estava presente, já que, ao solicitar o esvaziamento de quórum, precisaria comparecer. A próxima sessão será na terça-feira que vem (19). Segundo o deputado Carlos Roberto Osorio (PSDB), os parlamentares continuarão obstruindo a pauta até que a Mesa Diretora coloque o projeto a favor dos servidores inativos em votação.

"Mais uma vez, a Mesa Diretora não colocou em votação e nós entramos em obstrução (da pauta). Quase todos se retiraram do plenário e a sessão caiu. Mantemos nosso compromisso em ficar em obstrução até que o projeto a favor dos aposentados e pensionistas seja colocado em votação", afirmou Osorio (PSDB).

O decreto legislativo, proposto originalmente pela bancada do Psol e assinado pela maioria dos deputados, propõe o cancelamento de um decreto do governo estadual que adia para até 14 de maio o pagamento dos salários referentes a março de aposentados e pensionistas que recebem mais de R$ 2 mil. Todos os servidores ativos e os inativos com vencimentos inferiores a esse valor receberam nesta quinta-feira, como previsto. A medida foi tomada pela equipe econômica do governo em meio à crise financeira do estado. A decisão de priorizar os servidores ativos foi para evitar paralisações nos serviços públicos, segundo o governo. 

Ao contrário do que havia sido publicado, os deputados Zito (PP) e Nelson Gonçalves (PSD) não estavam entre os cinco palarmentares presentes para a sessão desta quinta-feira. 


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia