Sucesso na Carreira: Evite fofocas no ambiente de trabalho

Os boatos muitas vezes têm conteúdo negativo, prejudicam e podem ser usados nos interesses pessoais de quem promove

Por O Dia

Rio - A tentação pelo bate-papo é grande? Aquela conversa na hora do café ou do almoço, às vezes é útil para o profissional entender seu ambiente de trabalho. Mas tudo vai depender da intenção da fonte de informação. Ouvir ou fazer críticas aos colegas da empresa prejudica não só o alvo, mas também quem fala e quem ouve. Pesquisas sobre comportamento mostram que a base para se ter bons relacionamentos é a confiança.

É por meio dela que construímos ambientes de trabalho agradáveis. Mas como confiar nas pessoas que trabalham com você? Esse sentimento vem de um processo de observação e conhecimento dos outros funcionários. Veja o que pode ajudar a conquistar relacionamentos confiáveis e inspirar credibilidade.


PERGUNTA E RESPOSTA

“Estava com colegas no trabalho e eles falaram mal do gestor. Percebi que a secretária ouviu. Mesmo sem ter emitido opinião, tenho medo de que ela diga ao gerente que também falei mal dele. Devo me retratar com o chefe?”, Roberta, Bangu

Olá Roberta! Como você informa que “não se meteu no assunto”, desaconselho e não vejo necessidade retratação. A rede de boatos existe e muitas vezes é tida como mais “confiável” do que as comunicações formais. Os boatos muitas vezes têm conteúdo negativo, prejudicam e podem ser usados aos interesses pessoais de quem os promove.

Então, caso alguém se aproxime de você para contar “novidades”, procure mudar de assunto ou invente algo para se afastar, como, dizer que precisa fazer ligação urgente. Ter o nome associado a fofocas mancha a imagem pessoal e profissional. Nas situações em que você não tiver como “escapar” de ouvir, a sugestão é a de não emitir comentários.Todos nós temos pontos positivos e negativos e, para evitar ser alvo de fofocas, é preciso não participar delas. Cultive pensamentos, falas e atitudes positivas com os colegas.

Janaina Ferreira é coach e professora do Ibmec

Últimas de Economia