Por cadu.bruno

Rio - A oferta de vagas em um mutirão para cadastro de emprego levou uma multidão ontem ao Centro do Rio. A ação promovida pelo Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado do Rio (Sescon-Rio) e a multinacional Be Work Happy atraiu interessados para fazer inscrição nos bancos de dados de mais de 10 mil empresas.

Quem não compareceu ao mutirão ainda pode cadastrar o currículo no site do Sescon (www.sescon-rj.org.br). As oportunidades são para diversos cargos, como atendentes, balconistas, recepcionistas, auxiliar administrativo, auxiliar de escritório, operadores de telemarketing e para jovens aprendizes.

As oportunidades de cadastro são para diversos cargos como atendentes%2C balconistas e recepcionistas Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Desempregado há cinco meses, Ronaldo Costa, 54, saiu de Inhaúma, onde mora, para o Largo da Carioca, em busca de uma vaga de supervisor. “Era prestador de serviços em empresa terceirizada que trabalhava para o estado. Mas com essa crise os contratos foram encerrados e perdi o emprego”, conta.

Para a estudante que cursa Gestão de Recursos Humanos, Isabele Leandro de Castro, 20, a falta de experiência tem sido um empecilho para conseguir um estágio. Ela busca uma oportunidade há 5 meses. “É muita exigência para o estágio e para pouco salário”, critica.

Outro mutirão realizado ontem e promovido pelo Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio), em parceria com a Supervia, atraiu centenas de pessoas para a Central do Brasil. Ao todo, foram oferecidas 61 vagas para quem tem de 18 a 45 anos e podem atuar em áreas operacionais de hotéis, bares e restaurantes, como atendente, cozinheiro, supervisor, caixa e auxiliar de cozinha, entre outros.

DADOS DO CAGED

Também ontem, foi divulgado o balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de abril pelo Ministério do Trabalho. Os dados apontam recuo na perda de postos de trabalho no país. No mês, o nível de emprego reduziu 0,16% frente ao mês anterior: recuo de 62.844 postos de trabalhos formais. Esse foi o menor resultado negativo desde abril de 2015, quando o mercado deu início à série de resultados negativos.

Houve crescimento do emprego em seis estados, com destaque para Goiás, com geração de 5.170 postos. O crescimento também foi constatado em Minas Gerais (3.886), Distrito Federal (1.202), Mato Grosso do Sul (919), Espírito Santo (466) e Amapá (50). As maiores quedas foram registradas em São Paulo (-16.583 postos), Rio de Janeiro (-11.754 postos) e Alagoas (-7.102).

Você pode gostar