Coluna do Aposentado: Próxima agência ocupada será a da Presidente Vargas

Os aposentados e pensionistas do INSS não vão dar trégua ao governo do presidente interino Michel Temer

Por O Dia

Rio - Os aposentados e pensionistas do INSS não vão dar trégua ao governo do presidente interino Michel Temer (PMDB). Representantes da categoria vão intensificar cada vez mais as manifestações e ocupações de agências do instituto em todo o país em protesto contra a incorporação do Ministério da Previdência à estrutura da pasta da Fazenda. No Rio, os próximos atos vão ocorrer na quinta-feira, desta vez no posto da Avenida Marechal Floriano, no Centro da cidade.

Em São Paulo também haverá manifestação no mesmo dia pela volta da Previdência com status de ministério, deixando de ser apenas uma secretaria subordinada ao atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Na última quinta-feira, um grupo liderado por dirigentes da Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas do Estado do Rio (Faaperj) ocupou a agência da Previdência Social na Avenida Presidente Vargas, também no Centro. As manifestações dos segurados do INSS também ocorreram em Vitória, no estado do Espírito Santo.

Próxima agência será ocupada no CentroDivulgação

A decisão de manter os protestos foi ratificada durante o 2º Congresso Mundial de Aposentados, que ocorreu em Araxá (MG), entre os dias 8 e 13 deste mês. De acordo com a presidente da federação do Rio, Yedda Gaspar o objetivo é chamar a atenção da sociedade para o risco que os trabalhadores em geral correm com o fim do Ministério da Previdência.

“Não vamos sossegar nem dar sossego ao governo Temer enquanto ele não voltar atrás na decisão de incorporar a Previdência à Fazenda”, assegura a dirigente. Outros protestos já ocorreram com o mesmo intuito em vários pontos do país. No dia 2, a Faaperj levou manifestantes, mesmo debaixo de chuva, a ocuparem a agência do INSS de Copacabana. Foram três horas de protesto, com faixas e panfletos.

Além do Rio, aposentados de outras regiões do país também fizeram manifestações. No mesmo dia, por exemplo, segurados de diversos estados e do Distrito Federal pararam as principais agências do instituto. Os atos foram liderados pela Confederação Brasileira de Aposentados (Cobap) e federações filiadas.

Em Brasília, a ocupação no antigo prédio do Ministério da Previdência começou às 9 horas e, por volta das 12 horas, cerca de 200 manifestantes, a maioria aposentados e idosos, invadiram uma das vias do Eixo Monumental, sentido Congresso Nacional. O trânsito ficou parado por cerca de 30 minutos.

Apoio de servidores

Entidades de estados como Minas Gerais, Mato Grosso, Pernambuco, Santa Catarina e São Paulo também mobilizaram centenas de aposentados e pensionistas que ocuparam as principais agências do INSS nas capitais do país. As manifestações contam com apoio dos servidores da Previdência e dirigentes de entidades representativas como a Anasps e a Anfip.

Reunião na terça-feira

A próxima reunião do governo com as centrais para discutir a reforma da Previdência está marcada para terça-feira. No encontro, o governo Temer deve apresentar esboço do que pretende alterar. A proposta se pautará em cinco pontos: pensão por morte, idade média para aposentar, diferença de regimes entre homem e mulher, previdência de servidores e taxação do agronegócio.

Últimas de Economia