Coluna do Servidor: Secretário busca agilizar repasse de verbas para o estado

Verba será destinada à Segurança, mas é fundamental para dar alívio ao caixa do governo — que registra queda na arrecadação

Por O Dia

Rio - Em meio à expectativa dos servidores do Rio pelo pagamento da 2ª parcela do salário de maio, o secretário estadual de Fazenda, Julio Bueno, tenta agilizar em Brasília a liberação dos R$ 2,9 bilhões pela União. A verba será destinada à Segurança, mas é fundamental para dar alívio ao caixa do governo — que registra queda na arrecadação — e garantir o crédito restante de R$ 460 milhões na conta do funcionalismo.

Bueno chegou à capital federal na segunda-feira — acompanhado do secretário de Planejamento, Francisco Caldas — e acabou estendendo o seu período em Brasília. A informação é de que Bueno quer assegurar o repasse da verba do governo o mais rápido possível — o que pode acontecer hoje — e não voltará ao Rio enquanto não tiver a confirmação da liberação.

Segundo a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, a finalização do repasse depende agora do Ministério do Planejamento. “A Medida Provisória autorizando subvenção ao Rio para as Olimpíadas já foi editada. Para sua conclusão, faltam detalhes técnicos e orçamentários e decisões sobre como implementar em termos orçamentários e isso diz respeito ao Ministério do Planejamento”, disse Ana Paula. 

CRISE NO ESTADO 1
REUNIÃO NO CONGRESSO
Bueno também aproveitou sua estada em Brasília para se reunir com a bancada do Rio no Congresso. Ele expôs a situação fiscal do estado para os deputados. O cenário se agravou ainda mais com a queda na arrecadação dos royalties (que cobria despesas do Rioprevidência). Com isso, o estado está usando recursos do Tesouro para pagar segurados. 

CRISE NO ESTADO 2
REUNIÃO SERÁ HOJE
O governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles, se reunirá hoje coma cúpula do governo para definir a data de pagamento da 2ª parcela dos servidores. O encontro foi mantido por Dornelles mesmo sem a presença de Francisco Caldas e Julio Bueno (responsáveis pela folha de pagamento e pela liberação do crédito, respectivamente).

CRISE NO ESTADO 3
POLÍCIA CIVIL AGONIZA
A Coligação dos Policiais Civis do Rio (Colpol) planeja manifestação no Aeroporto do Galeão para a próxima segunda-feira. Com cartazes e panfletos em inglês, o protesto foi deliberado em assembleia da categoria no último dia 20. O objetivo é chamar atenção para a situação precária das unidades da instituição e atrasos salariais.

CRISE NO ESTADO 4
‘UNIDADES VÃO PARAR’
Presidente do Colpol, Fábio Neira diz que as unidades mal funcionam. “Não há atendimento e limpeza. Não temos papel para impressão e o sistema de informática também está precário. Assim, as unidades vão parar”, afirma. Neira disse que policiais estão fazendo requerimento para se apresentar em unidades próximas de casa.

CRISE NO ESTADO 5
BOMBEIROS PROTESTAM
Impedidos por lei de fazer greve, os bombeiros militares do Rio cumprirão agenda de atos contra os atrasos salariais. Haverá duas manifestações amanhã, no grupamento de Guadalupe e na Alerj — em conjunto com PMs. Também estão previstos atos junto com o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Musp).

CRISE NO ESTADO 6
‘HIPOSSUFICIÊNCIA’
Presidente da Associação dos Bombeiros Militares do Rio (ABMERJ), Mesac Eflain diz que muitos não têm condições de ir trabalhar: “O auxílio-transporte é de R$ 100 e entrou junto com o parcelamento”. A orientação da entidade é que eles comuniquem “hipossuficiência financeira” e se apresentem no grupamento próximo de casa.


Últimas de Economia