Portela ampliará ação de empregos

Depois do Império Serrano, Azul e Branco de Madureira vai levar programa para outras escolas

Por O Dia

Rio - Nem só Carnaval faz uma escola de samba no Rio. Elas também oferecem vagas de empregos. Um bom exemplo é o projeto Portela dá Trabalho que já empregou mais de 15 mil pessoas desde que foi criado em abril de 2015. A iniciativa agora será estendida para outras agremiações. A primeira parceira a aderir foi o Império Serrano, que entrou no projeto de geração de empregos na última quinta-feira com seis mil vagas. 

“O Império foi a primeira escola a abrir a quadra para receber o programa e espero que mais escolas entrem na parceria”, diz Marcos Falcon, presidente da Portela e idealizador do projeto.

Tendo como base os 11 mil empregos oferecidos nos recrutamentos feitos nas quadras da Portela e do Império apenas este ano, Falcon espera que quanto mais escolas entrarem no programa, mais empresas se interessem em participar.

Desde que foi criado%2C em abril do ano passado%2C o Portela dá Trabalho já cadastrou mais de 70 mil pessoas. Destas%2C 60% são mulheres Divulgação

Atualmente, o programa de intermediação de mão de obra conta com apoio de empresas como Casa & Vídeo, Contax, Grupo Redentor, Lojas Americanas, Sky TV, Qualitá, SindRio, Supermercados Guanabara, Viação Madureira-Candelária, entre outros.

De acordo com o presidente da Portela, está em estudo mapeamento de vagas em aberto por região. “Por exemplo, as empresas X, Y e Z na Baixada fazem levantamento e veem que precisam de trabalhadores. Então porque não levar o Portela dá Trabalho para lá?”, afirma. E acrescenta: “Se uma agremiação quiser participar do programa de empregabilidade, nós entramos com o suporte, os recrutadores e as empresas que vão contratar. A escola só cede o espaço e ajuda a gerar emprego na região”.

MORADOR DE OUTRAS ÁREAS

A ideia de expandir o programa para outras áreas surgiu em uma das edições da feira. “Conversei com as pessoas na fila. Muitos vinham de lugares distantes e pegaram dinheiro emprestado para chegar em Madureira atrás de uma oportunidade de emprego”, revela. “Não bastava estar desempregado, ainda ficou endividado”, diz.

O Portela dá Trabalho ocorre quinzenalmente na quadra da escola. O próximo será dia 26. Para participar, o candidato precisa comparecer à sede da Portela, na Rua Clara Nunes 81, de 9 às 14h, com carteira de trabalho, currículo, foto 3x4, comprovante de residência, título de eleitor, declaração de escolaridade e certificado de reservista.

Mulheres são as maiores vítimas do desemprego

Mulheres, moradoras das zonas Norte e Oeste, com Ensino Fundamental incompleto. Com base em levantamento do Portela dá Trabalho, o desemprego atinge mais o público feminino.
Desde que começou, em abril de 2015, 70 mil pessoas já participaram da ação que está em sua 42ª edição. Em cada evento 1.666 candidatos disputaram vagas de emprego.

Deste total, 75% são moradores das zonas Norte e Oeste, 20% da Baixada, 4% de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí e 1% da Zona Sul e do Centro. Ainda segundo a pesquisa, somente 10% cursaram o Ensino Superior.

“Nosso maior bem são os integrantes da comunidade. Eles representam a escola. Então porque a escola não pode melhorar a condição de vida deles dando formação e oportunidade de emprego?”, questiona Marcos Falcon, presidente da Portela.

A escola patrocina atletas de diversas atividades desportivas, como MMA, Jiu­jítsu, Karatê e Luta Greco­Romana. “Além de colocar nossa marca em evidência damos oportunidade a jovens de comunidades cariocas”, diz. O lutador de MMA, o peso-leve Alcides Nunes, 27 anos, morador de Bento Ribeiro, é um dos talentos descobertos e apoiados pela Portela. Nunes vai lutar no próximo dia 31, no Shooto Brasil, no Clube Hebraica, em Laranjeiras.


Últimas de Economia